Topo

Organizada cobra jogadores do Cruzeiro durante festa em Belo Horizonte

Clube mineiro vive momento delicado no Brasileirão e luta contra o rebaixamento para a Série B - © Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
Clube mineiro vive momento delicado no Brasileirão e luta contra o rebaixamento para a Série B Imagem: © Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
do UOL

Do UOL, em Belo Horizonte

20/11/2019 15h58

A torcida organizada Pavilhão Independente fez uma publicação em que relata um princípio de confusão em uma festa que contava com a presença de jogadores do Cruzeiro. Segundo consta na página da torcida em uma rede social, o fato ocorreu na madrugada de ontem para hoje (20), na região da Pampulha.

De acordo com a organizada, Dedé, Sassá, David, Robinho, Éderson e Ezequiel estavam presentes no local por volta das 00h30, quando sete torcedores chegaram e iniciaram uma discussão. A confraternização terminou com a presença de policiais.

Na tarde desta quarta-feira, David concedeu entrevista na Toca da Raposa e negou que estivesse no local, mas confirmou o encontro entre jogadores.

"Eu não estava, não sei o que aconteceu lá. Se eu tivesse, com certeza eu falaria. Pelo que sei, não foi uma casa de festa nem nada assim, foi uma comemoração da esposa do Dedé, onde só tinha familiares. Só vi pelas redes sociais, mas não tenho mais explicações sobre isso", disse.

Procurado, o Cruzeiro alegou que não irá se pronunciar por se tratar de um evento particular.

Leia abaixo a nota da torcida organizada na íntegra:

"Ontem ficamos sabendo que alguns jogadores estavam comemorando um aniversário em uma casa de eventos na Pampulha, juntamos 7 pessoas e fomos lá. Chegamos por volta de 00:30 e entramos. Lá estavam Dedé, Sassá, David, Robinho, Ederson, Ezequiel e outros amigos. Estavam todos bebendo e com suas esposas, Dedé pulava de cima do palco fazendo sarrada no ar mas diz que está operado. Quando eles perceberam a nossa presença vieram nervosos pra cima falando que estávamos estragando o momento deles, empurrando a gente e fazendo ameaças, a gente só questionava a situação do time lembrando que ninguém vai cair pra série B. O Dedé estava muito exaltado e agressivo, agrediu 3 de nossos amigos com empurrões, além de não parar de gritar. Nessa hora, as esposas que choravam e xingavam começaram a falar: "como que vocês querem que eles joguem se não estão nem recebendo?" A essa altura já estava todo mundo na rua, o som da festa já tinha parado, apareceram policiais civis armados e nos mandaram embora, logo após chegaram várias viaturas da polícia militar no local. Com todo respeito a alguns jogadores que sabemos que se doam em campo, sejam homens ou faremos um inferno a passagem de vocês por aqui" (sic).

Esporte