Topo

Em adeus, Diniz alfineta Celso: 'Tenho de ter mágoa de quem gosta de mim'

Fernando Diniz concede entrevista após demissão do Fluminense - Caio Blois / UOL
Fernando Diniz concede entrevista após demissão do Fluminense Imagem: Caio Blois / UOL
do UOL

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

19/08/2019 17h03

Demitido do Fluminense hoje (19), o técnico Fernando Diniz atendeu a imprensa em um hotel na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Na entrevista coletiva, o treinador alfinetou o vice-geral Celso Barros, principal responsável pela sua demissão.

Diniz agradeceu nominalmente ao presidente Mario Bittencourt e o ex-presidente Pedro Abad, bem como o vice-presidente de futebol da antiga gestão, Fabiano Camargo.

"Agradeço as pessoas que merecem ser agradecidas, foram essas três: Mario Bittencourt, Pedro Abad e Fabiano Camargo. Os jogadores são grandes, muito maiores que essas coisas que foram feitas", declarou.

Questionado se a reunião de Celso com o elenco na terça-feira atrapalhou o rendimento da equipe na derrota para o CSA, que culminou em sua demissão, o treinador foi duro com o dirigente.

"Não atrapalhou o meu trabalho. Só atrapalha quando o jogador se afeta. Ficou nas entrelinhas para todo mundo que esse trabalho poderia ser interrompido assim que ele chegasse. Eu preferi focar em quem estava andando junto. O Mario (Bittencourt) remou junto, trabalha incessantemente, quer ajudar o Fluminense, não é vaidade pessoal. Quer melhorar as condições do clube. Não tenho mágoa do Celso. Tenho que ter mágoa de quem gosta de mim e de quem eu gosto. Dele não tenho mágoa. Não sinto nada por ele. Absolutamente nada", declarou.

Fernando Diniz foi comunicado de sua demissão nesta manhã. Tomou café com Mario Bittencourt e o diretor de futebol Paulo Angioni. A notícia, recebida com tristeza, não mudou sua forma de ver o futebol, tampouco sua visão do elenco.

"Peguei jogadores desconhecidos e hoje entrego com três jogadores que seriam convocados para a seleção olímpica. Esses são resultados importantes para mim. ou grato aos jogadores, tivemos uma relação intensa. Eles têm condições de jogar futebol. Talvez a minha saída diminua a pressão. Acredito que o time vai decolar no Brasileiro e passar na Sul-Americana", disse.

Diniz também voltou a criticar o árbitro de vídeo. O treinador acredita que, do jeito que a ferramenta está sendo utilizada, atrapalha mais do que ajuda o futebol brasileiro.

"Por enquanto é muito ruim. O VAR está prejudicando o futebol aqui no Brasil. A conta é negativa".

A torcida do Fluminense foi bastante elogiada pelo técnico, apesar das críticas no Maracanã durante a derrota para o CSA, quando foi chamado de "burro".

"Tenho que agradecer a torcida. Nunca tinha visto uma torcida apoiar um trabalho, um técnico, mesmo sem resultados. Eles torceram muito para dar certo desse jeito, o que é especial", afirmou.

Mais Esporte