PUBLICIDADE
Topo

Goleiro que eliminou o Galo é expert em pênaltis e faz propaganda no boné

Wallef está no Afogados, de Pernambuco, desde novembro do ano passado. Ele defendeu dois pênaltis ontem - Reprodução/Twitter
Wallef está no Afogados, de Pernambuco, desde novembro do ano passado. Ele defendeu dois pênaltis ontem Imagem: Reprodução/Twitter
do UOL

Gabriel Carneiro

Do UOL, em São Paulo

27/02/2020 16h32

Resumo da notícia

  • Wallef defendeu dois pênaltis na classificação do Afogados sobre o Atlético-MG
  • Antes da decisão, ele chamou atenção por jogar de boné à noite em Pernambuco
  • Ele usa bonés há 5 anos em jogos e treinos inspirado no equatoriano Banguera
  • A peça atualmente anuncia a pousada onde o goleiro está morando na cidade
  • Wallef tem contrato até abril e espera que a visibilidade abra portas no futebol

O goleiro Wallef, de 24 anos, chamou duplamente a atenção ontem (26) à noite, em meio aos duelos da segunda fase da Copa do Brasil. Primeiro, ele foi assunto por jogar de boné à noite. Depois, por defender duas cobranças de pênalti e ajudar o Afogados, quarto colocado do Campeonato Pernambucano, a eliminar o Atlético-MG - e ainda decretar a demissão do técnico Rafael Dudamel e dois dirigentes do clube.

Formado nas categorias de base do Red Bull Brasil, o goleiro está na terceira passagem pelo Afogados e defendeu outros oito clubes na carreira. Há mais ou menos cinco anos que ele usa bonés em jogos e treinamentos. A inspiração é o equatoriano Máximo Banguera, que foi destaque do futebol no país e esteve na Copa do Mundo de 2014. "Eu sempre gostei. Meio que criei uma identidade, é minha marca. Eu treino de boné também, jogo de dia ou de noite, estou acostumado."

Eu quero que as pessoas quando falem do Wallef pensem no goleiro de boné.

O boné vermelho que Wallef tem usado na Copa do Brasil e no Campeonato Pernambucano faz propaganda de uma pousada da cidade de Afogados da Ingazeira. "É meio que um patrocínio. Teve gente pensando que era da Prefeitura, teve meme que eu apareci como frentista, mas na verdade é a pousada onde eu fico hospedado. Eu divulgo a marca e não pago, aí tenho moradia, quarto, alimentação", conta o goleiro nascido em São José do Calçado, no Espírito Santo.

Igor Rabello e Wallef, os capitães de Atlético-MG e Afogados ontem - Bruno Cantini/Agência Galo
Igor Rabello e Wallef, os capitães de Atlético-MG e Afogados ontem
Imagem: Bruno Cantini/Agência Galo

Mais para frente ele pensa em usar nos jogos o boné de uma marca pessoal de roupas que criou há cinco meses, a WM (as iniciais de Wallef Mendes): "Quando eu estava no Retrô-PE, consegui fazer capital para investir, graças a Deus. Agora vamos estar alavancando a marca, que tem bonés, camisetas regatas..."

Wallef tem contrato com o Afogados somente até 30 de abril, ao fim do Estadual. A seu favor na busca por um clube de maior expressão nos próximos meses está a visibilidade proporcionada pelo jogo que tirou o Atlético-MG da Copa do Brasil e também uma marca que foi reforçada neste jogo: a de pegador de pênaltis.

"Ano passado, pelo Retrô, eu defendi dois pênaltis durante as partidas e esse ano, com os dois de ontem, do Allan e do Nathan, já são quatro, porque tem mais um contra o Retrô e outro do Pipico, contra o Santa Cruz. Meu aproveitamento é muito bom, estou me destacando e o time passando de fase", diz o goleiro, que teve auxílio de um preparador e um analista antes das cobranças de ontem.

O Afogados enfrenta quem se classificar entre Ponte Preta e Vila Nova. Até lá, seguirá em seu momento mais midiático da história.

"Acho que eu nem dormi até agora, desde ontem muita gente me mandando mensagem, torcedores do Cruzeiro invadindo minhas redes sociais, pessoal da imprensa também. Ninguém esperava que nós pudéssemos tirar o Atlético, nosso time era franco-atirador. Mas fomos taticamente impecáveis, jogamos de igual para igual, foi sofrimento, mas graças a Deus conseguimos a classificação."

Bruno Cantini/Agência Galo
Imagem: Bruno Cantini/Agência Galo

Esporte