PUBLICIDADE
Topo

Por que Rússia foi banida de eventos como Olimpíada de 2020 e Copa de 2022

Governo russo diz que há "histeria" contra o país - Getty Images
Governo russo diz que há 'histeria' contra o país Imagem: Getty Images

09/12/2019 18h11

Após punição por casos de doping, a bandeira e o hino da Rússia não serão permitidos em eventos como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, em 2020, e na Copa do Mundo de 2022 no Catar.

A Rússia foi proibida de participar por quatro anos de todos os principais eventos esportivos pela Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês).

Isso significa que a bandeira e o hino da Rússia não serão permitidos em eventos como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, em 2020, e na Copa do Mundo de 2022, no Catar.

Mas os atletas que conseguirem provar que não estão contaminados pelo escândalo de doping poderão competir sob uma bandeira neutra.

O primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, disse que a proibição faz parte de uma "histeria crônica anti-Rússia".

"É óbvio que ainda existem problemas significativos de doping na Rússia, quero dizer na nossa comunidade esportiva", afirmou. "É impossível negar."

"Mas, por outro lado, essas decisões são todas repetidas, geralmente afetando atletas que já foram punidos de uma maneira ou de outra, sem mencionar alguns outros pontos - é claro que isso leva a pensar que essa situação faz parte da histeria anti-Rússia que se tornou crônica."

'Crise de doping'

O comitê executivo da Wada tomou a decisão unânime de impor a proibição à Rússia durante uma reunião em Lausanne, na Suíça, nesta segunda-feira (09/12).

Isso ocorre depois que a Agência Antidoping da Rússia (Rusada) foi declarada "não cooperante" por manipular dados de laboratório entregues aos investigadores em janeiro de 2019.

A agência teve de entregar os dados à Wada como condição para sua reintegração em 2018, após uma suspensão de três anos pelos escândalos de doping.

A Wada diz que a Rusada tem 21 dias para recorrer da proibição. Se isso ocorrer, o recurso será encaminhado ao Tribunal de Arbitragem do Esporte (Cas, na sigla em inglês).

O presidente da Wada, Craig Reedie, disse que a decisão mostra "sua determinação em agir diante da crise russa de doping".

Ministro dos Esporte da Rússia, Pavel Kolobkov: autoridades desportivas do país podem recorrer da decisão - EPA
Ministro dos Esporte da Rússia, Pavel Kolobkov: autoridades desportivas do país podem recorrer da decisão
Imagem: EPA

Ele acrescentou: "Por muito tempo, o doping russo prejudicou o esporte limpo. A violação cometida pelas autoridades russas nas condições de reintegração da Rusada exigiu uma resposta robusta".

"A Rússia teve a oportunidade de 'colocar a casa em ordem' e voltar a se juntar à comunidade antidoping global para o bem de seus atletas e integridade do esporte. Mas optou por continuar em sua posição de negação."

A vice-presidente da Wada, Linda Helleland, disse que a proibição "não é suficiente".

"Eu quero sanções que não possam ser diluídas", disse ela. "Devemos aos atletas limpos a implementação das sanções mais pesadas possíveis."

Um total de 168 atletas russos competiram sob uma bandeira neutra nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 em Pyeongchang, na Coreia do Sul, depois que o país foi banido após os Jogos de 2014, sediados em Sochi. Os atletas russos conquistaram 33 medalhas em Sochi, 13 delas de ouro.

A Rússia é proibida de competir como nação no atletismo desde 2015.

Apesar da proibição, a Rússia poderá competir na Euro 2020 - que terá São Petersburgo como cidade-sede -, já que a Uefa, órgão dirigente do futebol europeu, não é definida como uma 'organização de grandes eventos' no que diz respeito a decisões sobre violações das regras antidoping.

A Fifa disse que "tomou nota" da decisão da agência Wada, acrescentando: "A Fifa está em contato com a Wada para esclarecer a extensão da decisão em relação ao futebol".

Em comunicado, o Comitê Paralímpico Internacional informou que "os responsáveis ??pela manipulação dos dados do laboratório de Moscou antes de serem transferidos para a Wada parecem ter feito todo o possível para minar os princípios do esporte justo e limpo, princípios que o resto do mundo esportivo apoia e segue".

"Essa sincera falta de respeito com o restante do movimento esportivo global não é bem-vinda e não tem lugar no mundo do esporte. É justo que os responsáveis ??por essa manipulação de dados sejam punidos."

Trajetória da crise

A Rusada foi inicialmente declarada "não cooperante" em novembro de 2015, depois de um relatório, encomendado pela Wada e feito pelo professor Richard McLaren, advogado especializado em esportes, apontar que um esquema generalizado de doping seria patrocinado pelo Estado no atletismo russo.

Um outro relatório, publicado em julho de 2016, declarou que a Rússia operava um programa de doping patrocinado pelo Estado por quatro anos na "grande maioria" dos esportes olímpicos de verão e inverno.

Em 2018, a Wada restabeleceu as credenciais da Rusada depois que a agência russa concordou em liberar dados de seu laboratório de Moscou do período entre janeiro de 2012 e agosto de 2015.

No entanto, os resultados positivos contidos em uma versão de uma denúncia feita em 2017 estavam ausentes no banco de dados em janeiro de 2019, o que levou a uma nova investigação.

O Comitê de Revisão de Conformidade da Wada (CRC) recomendou uma série de medidas baseadas "em particular" em uma análise forense das inconsistências encontradas em alguns desses dados.

Como parte da proibição, a Rússia não pode sediar eventos importantes por quatro anos, incluindo os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2032, aos quais o país pretendia se candidatar.

Qual foi a reação?

Nicole Sapstead, diretora-executiva da agência antidoping do Reino Unido (Ukad), disse que a decisão da Wada de impor uma proibição à Rússia foi o "único resultado possível" para "tranquilizar os atletas e o público e continuar a tarefa de buscar justiça para quem é enganado por atletas russos".

No entanto, Travis Tygart, executivo-chefe da Agência Antidoping dos EUA, disse que não impor uma proibição geral da participação de todos os atletas russos - mesmo sob uma bandeira neutra - é um "golpe devastador".

"A reação de todos aqueles que valorizam o esporte não deve ser nada menos que uma revolta contra esse sistema para forçar uma reforma", disse ele.

"A Wada prometeu ao mundo em 2018 que se a Rússia falhasse novamente em cumprir seus acordos, usaria a sanção mais dura possível segundo as regras. No entanto, aqui vamos nós novamente; a Wada diz uma coisa e faz algo completamente diferente.

"Não há dúvida de que a Rússia cometeu o nível de corrupção mais intencional, profundo e amplo em todo o mundo do esporte, que investiu dinheiro contra a moral, abuso na saúde e corrupção nos valores olímpicos e nos sonhos de todos os atletas."

"Agora, atletas limpos, torcedores e patrocinadores estão sofrendo com outro horrendo Dia da Marmota, de corrupção e dominação russa."

Rússia recebe punição de 4 anos e está fora das Olimpíadas

Band Sports

Esporte