Topo

Bolsonaro critica contrato da Petrobras na F1: "Voom, ninguém vê nada, pô"

O presidente Jair Bolsonaro - Adriano Machado/Reuters
O presidente Jair Bolsonaro Imagem: Adriano Machado/Reuters
do UOL

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

21/08/2019 11h30

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a criticar hoje pela manhã o contrato publicitário da Petrobras com a McLaren, equipe de Fórmula 1. Segundo ele, o contrato serve apenas para os pilotos da equipe colocarem a marca do Petrobras no capacete, que ninguém enxerga, avaliou, porque os carros de corrida passam rápido demais.

"Não interfiro na Petrobras, mas vi o contrato publicitário de cinco anos de R$ 700 milhões com uma empresa de Fórmula 1. Por que isso aí? Para dois pilotos botarem no capacete 'Petrobras'. Voom, ninguém vê nada, pô. Tá em algum lugar", declarou, em referência ao barulho feito pelos carros. A declaração, feita em congresso sobre aço em Brasília, levou a plateia aos risos.

O valor do contrato citado pelo presidente não está correto, segundo apurado pelo UOL ainda em maio. O UOL apurou que a Petrobras gasta anualmente 10 milhões de libras (algo em torno de R$ 52,1 milhões) com publicidade para 2018, 2019, 2020, 2021 e 2022. O acordo que totaliza R$ 260 milhões em valores atuais foi firmado pelo governo do ex-presidente Michel Temer (MDB), em fevereiro de 2018.

A marca da Petrobras não aparece somente nos capacetes da equipe, mas também nos uniformes e na lataria dos carros, além de estruturas físicas da McLaren. Além do valor investido em propaganda, há um contrato de desenvolvimento e fornecimento de combustíveis, óleos e lubrificantes a partir deste ano. A gasolina brasileira, no entanto, ainda não vem sendo utilizada pela equipe, somente o óleo de transmissão.

A Petrobras não é a única petrolífera a investir na Fórmula 1. Atualmente, na verdade, as maiores empresas mundiais na área têm algum contrato na categoria, como Shell, Petronas, BP Castrol e ExxonMobil. A avaliação das empresas é que o investimento compensa devido ao marketing e ao desenvolvimento de tecnologia.

Mais Esporte