Topo

Por que Gabigol fracassou na Europa e brilha no Brasil? Blogueiros analisam

Thiago Ribeiro/AGIF
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
do UOL

Do UOL, em Santos (SP)

11/11/2019 18h52

Resumo da notícia

  • Gabigol volta a brilhar no Brasil depois de fracassar na Europa
  • O que fez o atacante do Flamengo reencontrar o bom futebol?
  • Blogueiros apontam Jorge Jesus como um dos 'culpados'
  • "Jesus encontrou uma maneira de acomodá-lo", diz Mauro Cezar
  • "A força coletiva do Fla ajuda muito Gabigol", afirma Perrone

Depois do fracasso pela Europa com passagens mais que discretas por Inter de Milão (Itália) e Benfica (Portugal), Gabriel Barbosa voltou ao Brasil no começo de 2018 e reencontrou o futebol que já havia mostrado antes de seguir para o Velho Continente. Primeiro no Santos, pelo qual fez 27 gols em 52 jogos no ano passado. Mas é no Flamengo que o atacante de 23 anos vem vivendo a melhor fase de sua carreira.

Em 2019, Gabigol não para de fazer jus ao seu famoso apelido. Ele nunca balançou tanto as redes como neste ano. É de longe a melhor marca de sua carreira, com 37 gols em 51 jogos; 21 só no Brasileiro, o que o fez igualar o recorde de Zico, maior ídolo rubro-negro, no Flamengo.

Mas como pode um jogar ter atuações tão diferentes? E mais: Gabigol vem sendo o jogador mais decisivo do Fla e do Brasil? Para responder essas perguntas, convocamos os blogueiros do UOL Esporte. Veja o que eles disseram:

O que acontece para um jogador que nem sentava no banco na Europa jogar tudo isso? É o esquema? O time? Estar perto de casa?

ANDRÉ ROCHA

Gabriel não é ponta, nem típico centroavante. Joga melhor como hoje no Flamengo, como parte de uma dupla de ataque, com liberdade de movimentação.

Se Jorge Jesus conseguisse o centroavante que pediu, o artilheiro do Brasil poderia estar no banco. Na Europa é difícil ter paciência, menos ainda quando o jogador tem um temperamento complicado e não está muito disposto a aprender.

É claro que ele se identificou com clube e torcida, isso ajuda sempre.

Leia o blog do André Rocha.

ANDREI KAMPFF

Gabriel sempre apresentou talento raro. Na Europa Ele teve dificuldades de adaptação ao esquema tático, mas me parece que a questão emocional foi ainda mais decisiva. Ele deixou de acreditar nas próprias qualidades. De volta, com sequência e um time encaixado, retomou a confiança. E acreditar é sempre passo decisivo pra vencer.

Leia o blog Lei em Campo.

JUCA KFOURI

É tudo isso e mais um treinador que não lhe dá descanso, que lhe puxa as orelhas e o fez virar atleta, ainda topetudo, mas muito mais concentrado.

Leia o blog do Juca.

MARCEL RIZZO

Confiança e sequência. Ainda há técnicos europeus que torcem o nariz para brasileiros pela fama de bad boys. No Brasil Gabriel está jogando com regularidade.

Leia o blog do Marcel Rizzo.

MAURO BETING

Mais ou menos mal comparando com o Dudu, outra grande estrela do Brasil desde 2015, os jogadores não se adaptam. Mas não é só culpa do Gabriel Barbosa. O momento da Inter não era bom, do Benfica não era bom e dele também não era bom. Mas ele tem muita idade, muito potencial e, principalmente, muita idade - e provavelmente vontade - para, se quiser, dar muito certo lá. E, se não quiser, pode continuar sendo um dos três melhores jogadores do Brasil. Claro que o ambiente ajudou, o mega time ajudou, o Jorge Jesus agora ainda mais, mas ele prova que, inclusive no jogo contra o Bahia, aberto pela direita, onde brilhou no Santos em 2015, ele também joga quando puder. É um senhor jogador e é questão de tudo, de ambiente. Parece que ele mais nasceu na Gávea do que na Vila Belmiro.

Leia o blog do Mauro Beting.

MAURO CEZAR

Imaturidade, falta de entendimento de que chega a Europa como mais um, não como o destaque do novo time, tudo isso impediu que esse jogador se destacasse lá. Agora, seu atual treinador encontrou uma maneira de acomodá-lo de maneira mais adequada e confortável na equipe, mais livre, se movimentando e finalizando muitas vezes. Naturalmente cresceu, ainda mais cercado de bons jogadores e ótimo jogo coletivo.

Leia o blog do Mauro Cezar.

PERRONE

A força coletiva do Flamengo ajuda muito Gabigol. Ao mesmo tempo, na minha opinião, o atacante nunca esteve tão bem tecnicamente. Mas, claro que tem peso o fato de ele agora disputar campeonatos com nível técnico mais baixo em relação a competições europeias. Fica mais fácil se destacar por aqui. Pode ser também que ele esteja mais concentrado e melhor fisicamente, mas só Gabigol é capaz de dizer.

Leia o blog do Perrone.

RENATO MAURÍCIO PRADO

Gabigol claramente não se adaptou a viver no exterior, muito provavelmente pela pouca idade e por não ter lá fora os cuidados e paparicos tão comuns aqui às grandes promessas. Na volta ao Santos, no ano passado, recuperou a confiança e a autoestima e seu futebol voltou a florescer, explodindo esse ano no Flamengo. A grande dúvida agora é como reagirá numa possível volta ao futebol europeu. Indiscutivelmente, no exterior o nível de competitividade é maior, mas no estágio atual, acho que ele poderá ter sucesso. Mas creio que, no momento, o ideal para sua carreira seria jogar ao menos mais um ano no Flamengo.

Leia o blog do Renato Maurício Prado.

Gabigol é hoje o jogador mais decisivo do Flamengo e do Brasil?

ANDRÉ ROCHA

Não, este é Bruno Henrique.

ANDREI KAMPFF

Ele e Bruno Henrique. Vejo os dois no auge profissional, e sendo decisivos pra campanha do Flamengo.

JUCA KFOURI

É difícil apontar o jogador mais decisivo do Flamengo. Entre Bruno Henrique, Gabigol, Everton Ribeiro e Gerson fico com... o primeiro.

MARCEL RIZZO

Sim. É o melhor jogador em atividade no Brasil hoje, pouco à frente de Everton Cebolinha e de Gerson.

MAURO BETING

A cada lance do Bruno Henrique, eu acho que é o Bruno Henrique o melhor e mais decisivo do Flamengo e do Brasil. A cada toque na bola, a cada gol do Gabriel Barbosa, eu acho que é ele. Então eu diria que Gabriel Henrique ou Bruno Barbosa são os grandes jogadores. Mas para ficar em um, até por ter sido mais completo, eu fico com o Bruno Henrique. Mas o que mais me encanta ver jogar... Digamos que eu visse o compacto com os melhores momentos da temporada, eu ficaria com o Gabriel Barbosa.

MAURO CEZAR

Sim, pelo poder de finalização, embora seu colega Bruno Henrique tenha, além de muitos gols, a relevante característica de marcá-los com assiduidade em partidas ditas 'grandes', importantes.

PERRONE

Ele se reveza com Bruno Henrique nesse papel. Depende do dia.

RENATO MAURÍCIO PRADO

Acho que ele divide esse posto com Bruno Henrique. Ambos se mostram um nível acima dos outros atacantes em atividade no Brasil.

Esporte