Topo

Maior problema para 2020, Santos projeta gastos de R$ 26 mi com emprestados

do UOL

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

13/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Santos tem 12 jogadores que retornam de empréstimo em 2020
  • Peixe prevê gastos de até R$ 26 milhões com salários dos emprestados
  • Clube avalia questão como um dos principais problemas para o próximo ano, quando o Santos precisa diminuir gastos
  • Santos vê pouco potencial de venda nos atletas que retornam

O Santos já identificou o principal problema para a próxima temporada: o retorno de 12 jogadores emprestados. Com as contas no vermelho e precisando diminuir as despesas, o Peixe quer "se livrar" da maioria deles para economizar até R$ 26 milhões com salários durante o ano.

São eles: Vladimir, Daniel Guedes, Cléber Reis, Noguera, Sabino, Romário, Yuri, Longuine, Arthur Gomes, Copete, Felippe Cardoso e Rodrigão. O clube gasta pouco mais de R$ 2 milhões por mês com os vencimentos dos atletas e precisa diminuir a folha salarial. O presidente José Carlos Peres já enfatizou que o ano de 2020 será de pouco investimento para o Santos.

Internamente, o Alvinegro Praiano vê pouco potencial de venda nos 12 jogadores que retornam ao clube. Quatro desses atletas recebem na casa dos 200 mil por mês: Copete, Noguera, Rafael Longuine e Cléber Reis. Desses, somente o colombiano, emprestado ao Pachuca (MEX), levou a diretoria santista em acreditar numa futura venda. Cléber Reis vem atuando com frequência pelo Oeste, na Série B, mas o alto salário dificulta uma saída para um clube menor.

Dentre os outros oito, Rodrigão é a principal esperança de negócio. O centroavante é vice-artilheiro da Série B com 13 gols e já marcou 21 no ano com o Coritiba. No entanto, o atacante já havia se destacado na última temporada com o Avaí também na segunda divisão e não despertou interesse a ponto de ser negociado. Sabino também faz boa Série B com o mesmo Coritiba, marcando cinco gols.

Entre os outros atletas, Vladimir vem jogando com frequência. Titular absoluto do Avaí na Série A, o atleta desperta interesse de outros clubes da primeira divisão nacional, mas ainda não houve contato com o Santos. No Peixe, ele seria apenas o terceiro goleiro, atrás de Everson e Vanderlei, e não deve ficar no clube.

Arthur Gomes é outro que vem atuando com frequência na Chapecoense, mas o Santos não deve liberá-lo facilmente. Yuri também tem atuado bastante no Fluminense, mas sem tanto destaque. O volante não está atualmente nos planos e o Peixe não deve dificultar qualquer negócio.

O cenário de incerteza sobre a continuidade do técnico Jorge Sampaoli no Santos atrapalha o planejamento para o ano seguinte. É certo que o argentino não conta com quase nenhum deles para a próxima temporada, mas uma mudança no comando pode alterar a situação dos atletas. Paulo Autuori, superintendente de futebol, tem feito reuniões periódicas com o treinador para traçar 2020.

Esporte