Topo

Palmeiras repete roteiro com C. Eduardo e vê reforço milionário contestado

Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Carlos Eduardo vive momento de contestação no Palmeiras Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
do UOL

Danilo Lavieri

Do UOL, em São Paulo

2019-02-19T04:00:00

19/02/2019 04h00

Dois anos depois de contratar Borja, o Palmeiras vê um roteiro semelhante se repetindo. Desta vez, com Carlos Eduardo. Contratado por R$ 23 milhões, o ponta é a segunda maior contratação da Era Crefisa e só perde justamente para o colombiano. O alto investimento também faz os dois serem sempre os primeiros responsáveis quando o torcedor não gosta de uma apresentação.

No último domingo, contra a Ferroviária, Carlos Eduardo ficou até entre os assuntos mais comentados do Brasil nas rede sociais. Escalado como titular contra a Ferroviária, ele errou praticamente todos os fundamentos básicos em lances na partida: finalização, passe, drible e domínio. Seu desempenho fraco, inclusive, chamou a atenção do comentarista Walter Casagrande, que já previa a substituição no segundo tempo durante a transmissão na TV Globo.

VEJA TAMBÉM

Internamente, Alexandre Mattos tem sido bastante questionado pela contratação. Os críticos afirmam que os milhões gastos para tirá-lo do Egito poderiam ter sido economizados com apostas em atletas que já estavam no elenco, como Artur, que foi emprestado para o Bahia, e Vitinho, negociado com o São Caetano.

As críticas também recaem em cima de Felipão e sua comissão técnica. Conselheiros e torcedores argumentam que Zé Rafael e Raphael Veiga foram inscritos e não recebem oportunidades. Os dois podem atuar tanto no meio-campo quanto na ponta e foram destaques em 2018. O questionamento tem irritado o treinador.

Tanto membros da comissão quanto pessoas da diretoria argumentam que Carlos cumpre uma função essencial no estilo de jogo de Felipão, o de ser escape da equipe pelas pontas. Eles também afirmam que o atacante é mais pressionado que o comum por conta do alto valor investido. 

Outra contratação milionária, o colombiano Miguel Borja serve de exemplo. Embora tenha sido artilheiro da Libertadores e do Paulista em 2018 e já esteja entre os 90 maiores goleadores da história do clube, ele não cai na graça do torcedor e é muito mais lembrado pelos gols perdidos do que pelos feitos.

Na ótica da cúpula alviverde, o valor aplicado na época joga contra o atacante. Com contrato até 2021, ele recebeu aumento salarial previsto em contrato e poderia ser negociado caso uma boa proposta fosse encaminhada pelos seus empresários. Até aqui, no entanto, tudo não passou de uma sondagem. 

Mais Esporte