Topo

Nova filosofia de Ceni gera reflexão dos jogadores até nos jogos de baralho

Primeiras mudanças já começaram a acontecer desde o primeiro dia de Rogério Ceni no Cruzeiro - Bruno Haddad/Cruzeiro
Primeiras mudanças já começaram a acontecer desde o primeiro dia de Rogério Ceni no Cruzeiro Imagem: Bruno Haddad/Cruzeiro
do UOL

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

17/08/2019 04h00

Rogério Ceni está há menos de uma semana no Cruzeiro, mas seus métodos de treinamento e filosofia de jogo já foram notados desde as primeiras atividades. E esse novo estilo já está mexendo até com a rotina dos jogadores. Precisando se adaptar ao novo trabalho, alguns até levam os ensinamentos da Toca da Raposa para casa, como é o caso de Dedé. Até nas horas de lazer, o zagueiro conta que não deixa de refletir sobre a 'nova era' no time celeste.

"Dormi tarde, pensando no treinamento de hoje (ontem). Fiquei pensando até meia-noite. Fiquei jogando baralho no celular e pensando no treinamento. Temos que pensar nos detalhes daquilo que nos é passado, absorver tudo que tem sido passado a nós. Existe uma nova filosofia. No futebol, não se pode ter o mínimo de erro, principalmente contra um time fatal como o Santos", comentou o zagueiro, já pensando na partida de amanhã (18), contra o Santos.

Dedé tem motivos para pensar sobre o trabalho de Rogério Ceni. Desde o primeiro dia, ficou claro que o treinador vai cobrar muita intensidade dos seus atletas. Em comparação com os treinamentos de Mano, Ceni aplica atividades mais rápidas. Por outro lado, não exige nada além do esforço máximo dos seus atletas. Bastante participativo, seja no treinamento de saídas de bola ou finalização, Ceni tem reforçado o pedido de ver todos os seus atletas participando da construção ofensiva do time.

"É diferente do que estávamos fazendo. Ele já falou que vai ser desse jeito. Acho que nessa semana já deu para perceber o trabalho dele. Tomara que a gente pegue rápido o jeito e a ideia do treinador para fazer o que ele tem como ideia", comentou o volante Ariel Cabral.

Quando Ceni foi anunciado pelo Cruzeiro, no final de semana passado, o clube ainda estava há oito jogos sem fazer gols. O pior jejum da sua história já foi quebrado naquele mesmo domingo, com o empate por 2 a 2 diante do Avaí. Mas Ceni ainda terá outros desafios pela frente. Para sair da zona de rebaixamento, o Cruzeiro precisa voltar a vencer no Brasileirão, algo que não acontece há 11 rodadas. Para isso, melhorar o setor de criação do time será essencial, já que o meio-campo e o ataque apresentaram quedas bruscas, tanto no número de gols marcados, quanto na quantidade de finalizações por jogo.

"A gente sabe a grande importância de toda de toda equipe analisar aquilo que a gente vem fazendo e implantar o que o Rogério tem como ideia. E a questão da superação, de poder reverter esse quadro. Esse é o grande objetivo nosso como equipe, para que a gente consiga vencer, independentemente de qualquer coisa. Independentemente de toda essa mudança, o nosso incômodo em relação à situação. Isso é o fator crucial para que a gente consiga mudar essa história, já buscando no próximo jogo uma nova vitória", comentou o zagueiro Léo.

Mais Esporte