Topo

Diniz lamenta pontos perdidos, e exalta time que "não se acovarda" na Vila

do UOL

Do UOL, em São Paulo

16/11/2019 20h47

Apesar de chegar ao terceiro jogo sem vitória no Campeonato Brasileiro na tarde de hoje (16), o São Paulo fez bom segundo tempo e conseguiu ser superior ao Santos em parte do empate por 1 a 1, na Vila Belmiro. Questionado sobre o jejum e a pressão da torcida por resultados, o técnico Fernando Diniz exaltou a mudança de estilo de jogo do clube.

A alteração no comportamento dentro de campo é, inclusive, motivo de celebração do treinador, que "olha para o futuro do time de forma positiva".

"O ponto negativo é a pontuação, claramente. O São Paulo tem que pontuar melhor. Vamos nos desdobrar para classificar o time de maneira direta para a Libertadores. O ponto positivo é ter mudado drasticamente a característica do jogo. É um time que tem mais posse, um time que chega na Vila Belmiro e Maracanã (contra o Flamengo) e não se acovarda. O Santos teve mais chances no primeiro tempo, mas não fomos envolvidos. É um time corajoso, as pessoas se entregam. O perfil do grupo é bom, mas estamos nos conhecendo ainda. Tenho vários jogadores jovens, de uma fábrica muito boa em Cotia. O meu olhar para o futuro é muito positivo", disse o treinador na coletiva.

Com 53 pontos, o Tricolor está a três de diferença para o Grêmio, que abre o G4 e ainda joga na rodada. A situação, que incomodou os torcedores nos últimos dias, foi assunto na coletiva.

"No CT não tem uma pressão a mais. Existe uma pressão de todo mundo. Nosso diretor é o Raí, um dos grandes ídolos, ele sabe o que é fazer pressão, o que é suportar pressão e o que é vencer a pressão. A gente tem a felicidade de ter um cara do futebol, que se preparou, é inteligente. Foi muito mais uma conversa do que uma cobrança. Ele mostrou que estava junto, mostrou algumas coisas que achava que estava errada, mas no tom certo, os jogadores entenderam. A falta de títulos no São Paulo gera uma expectativa grande", acrescentou.

"Eu lamento (os pontos perdidos). Mas não podemos lamentar muito. Temos que procurar ganhar para os pontos que perdemos em casa não façam falta. Hoje lamento também, poderíamos ter ganho o jogo. O resultado machuca. Mas contra o Athletico fizemos um bom jogo também. Merecemos a vitória no domingo e hoje. Temos que seguir trabalhando e conquistas as vitórias, estamos precisando."

Veja outros temas da coletiva de Fernando Diniz

Pato no banco de reservas

"O Pato é um jogador genial. Pela condição técnica dele, ele já podia estar indo para a terceira Copa. Característica técnica não é. Ele jogou outras partidas e não conseguiu botar para fora esse talento. Fizemos outras opções que acredito que sejam o melhor para o São Paulo no momento."

Melhora do time com Liziero

"Aí tem que perguntar pra Mãe Diná, né? Eu não consigo responder isso (se o resultado seria diferente se o volante tivesse entrado antes). O Liziero entrou depois. O time não melhorou só por causa do Liziero. Ele ajudou. Mas o Tchê Tchê também recuou. As soluções do futebol nunca são tão simples assim, nunca é um fato só que gera tudo. É uma cadeia de fatos. Analisar assim é mais fácil. Assim a gente acha heróis e culpados facilmente. Foram uma série de circunstâncias que fizeram o time melhorar."

Desempenho de Daniel Alves

"Ele fez grandes partidas pela lateral e por dentro. Hoje ele jogou, na hora da marcação, pelo lado, mais ou menos na função do Antony. Para jogar, dei muita liberdade para ele se movimentar no campo. Ele fez um bom jogo, principalmente no segundo tempo com a melhora do time todo."

Carinho recebido na hora do gol

"Para mim é gratificante. Faz parte da minha relação. Eu já falei inúmeras vezes, eu tenho certeza que tenho um desejo de fazer o melhor para o jogador, prestar um serviço de qualidade para ele render e construir uma simbiose com o torcedor. Eu procuro ser próximo para tirar o melhor de cada um."

Esporte