PUBLICIDADE
Topo

Em 2000, o brasileiro "riu à toa" e "pirou o cabeção": relembre os hits

Marisa Monte, Falamansa e O Surto emplacaram hits em 2000 - Montagem/UOL
Marisa Monte, Falamansa e O Surto emplacaram hits em 2000 Imagem: Montagem/UOL
do UOL

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

18/01/2020 04h00

Parece que 2000 foi ontem, não é? Mas já faz 20 anos! A nostalgia com certeza vai bater nos seus ouvidos com a playlist abaixo, só com hits que embalaram o último ano do segundo milênio.

Começando com as duas músicas mais executadas nas rádios em 2000: Amor I Love You (de Marisa Monte com Arnaldo Antunes recitando O Primo Basílio, do escritor português Eça de Queiroz)...

... e Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim, lançada em 1999 mas que bombou mesmo em 2000, na voz de Ivete Sangalo, como parte da trilha da novela Uga Uga, do mesmo ano.

O compositor do hit de Ivete, Herbert Vianna, emplacou outra música entre as mais ouvidas, desta vez cantando com Os Paralamas do Sucesso: Aonde quer Que eu Vá, último single da banda antes do acidente aéreo de seu vocalista, em fevereiro de 2001.

Em 2000, pegamos uma latinha e batemos uma na outra com Gilmelândia...

E descobrimos a versão brasileira de um hit latino: Bomba, dos Braga Boys.

O Harmonia do Samba era o maior grupo de axé da época e, depois de Vem Neném, Xanddy e companhia emplacaram outros sucessos como O Rodo e Nossa Paradinha.

O pagode passou por um momento de transição em 2000. Os Travessos assumiram um jeitão de boy band e fizeram sucesso com a melô das câmeras de segurança: "Sorria que eu tô te filmando..."

O Só Pra Contrariar lançou o último álbum de estúdio com Alexandre Pires...

... e o Belo lançou seu primeiro álbum após deixar o Soweto (saída que deu início a uma eterna briga judicial com o então comprador do grupo, o ex-jogador Denílson).

O maior sucesso do pagode em 2000, curiosamente, foi um forró: Morango do Nordeste. A música, que anteriormente havia sido cantada por Lairton e Seus Teclados (presença constante no Domingão do Faustão), ganhou outra versão com o Karametade, de Vavá.

O forró era o ritmo do momento. Antes do surgimento do sertanejo universitário, em 2000 apareceu o forró universitário! O maior expoente foi o grupo Falamansa, dono de sucessos como Xote dos Milagres e Rindo à Toa.

Até Gilberto Gil embarcou na onda forrozeira e voltou às paradas com Esperando na Janela, tema do filme Eu, Tu, Eles.

Outra Esperando na Janela fez sucesso em 2000: a do Cogumelo Plutão, que nada tem a ver com a música de Gilberto Gil.

O que não faltou em 2000 foi "one hit wonder", aqueles artistas que emplacaram apenas um hit e desapareceram! Além de Cogumelo Plutão, o P.O. Box surgiu com seu Papo de Jacaré e também bateu ponto no Faustão.

O funk começou a furar a "bolha" do Rio de Janeiro e se expandir por todo o Brasil com a Furacão 2000! O primeiro hit nacional foi Dança da Motinha, de MC Beth, que popularizou o termo "popozuda" ("As popozudas perde a linha").

Também teve rock surfando no funk em 2000. O Defalla lançou Popozuda Rock N' Roll, tema da Feiticeira (Joanna Prado) nos programas H, de Luciano Huck, e O+, de Otaviano Costa, na Band.

O pop e o rock ganharam força em 2000, muito em função da MTV e de seus projetos Acústico e Ao Vivo. O Acústico MTV Lulu Santos, por exemplo, ressuscitou uma música de 1992 que virou um de seus maiores sucessos: Apenas Mais Uma de Amor.

Se o Acústico MTV conseguiu resgatar uma música de Lulu Santos, o que dizer do Capital Inicial? A banda praticamente ressurgiu com releituras desplugadas de seus clássicos e parcerias históricas, como Primeiros Erros ao lado do "senhor Kiko Zambianchi"

Após o sucesso do álbum Só no Forevis (1999), o Raimundos era a maior banda de rock do Brasil. Em 2000, eles lançaram o MTV Ao Vivo, que recebeu disco de platina no Planeta Xuxa. A única faixa de estúdio foi 20 e Poucos Anos, de Fábio Jr., tema do reality show homônimo da MTV.

Tropa de Elite existia bem antes do filme homônimo de José Padilha, lançado em 2007. A música nasceu em 2000, no álbum de estreia do Tihuana.

Várias músicas da trilha sonora da novela Laços de Família emplacaram entre as mais ouvidas do país naquele ano, como Balada do Amor Inabalável, do Skank. O clipe teve uma inovação: foi gravado com câmeras distribuídas aos fãs durante um show em São Paulo. Sim, para uma época sem celular com câmera, isso era uma inovação!

Em 2000, surgiu um dos versos mais replicados em status do MSN, perfis de Orkut e, atualmente, legendas do Instagram: "Vivemos esperando dias melhores..."

O maior hit do Charlie Brown Jr. em 2000 não foi do Charlie Brown! É que muita gente acha que A Cera é cantada por Chorão e sua banda, mas a música faz parte do CD de estreia de O Surto. O refrão, "que me pirou o cabeção", grudou feito chiclete.

Outra legenda de Instagram nasceu em 2000: "Hoje eu só quero que o dia termine bem..."

Em 2000, perguntamos pela primeira vez se a lenda dessa paixão faz sorrir ou faz chorar (Resposta: o coração é quem sabe).

O Twister apareceu nas rádios e nos programas de TV cantando "Meu amor, esse amor dá 40 graus de febre".

Também foi em 2000 que pela primeira vez pedimos para a vida devolver as nossas fantasias com o KLB.

No mesmo ano, Wanessa Camargo se lançava como cantora em um clipe gravado com seu então namorado, Dado Dolabella.

E o pai da Wanessa? Zezé Di Camargo e o irmão, Luciano, eram os reis do sertanejo, mas com uma sonoridade cada vez mais pop.

Com a pirataria rolando solta em 2000, o sucesso nos camelôs era um tal Acústico de Bruno & Marrone, gravado clandestinamente de um programa de rádio e vendido como se fosse um álbum oficial. A dupla se viu obrigada a lançar um Acústico oficial em 2001.

Adriana Calcanhoto regravou Erasmo Carlos e ganhou espaço nas rádios em 2000 com Devolva-me.

Após a morte da mulher, Maria Rita, Roberto Carlos voltou aos palcos com uma música nova: Amor Sem Limite.

Entretenimento