Topo

Érico Brás sobre apresentar Se Joga: "Sinto falta de negros nesse lugar"

Érico Brás vai apresentar Se Joga ao lado de Fernanda Gentil e Fabiana Karla - Victor Pollak/Globo
Érico Brás vai apresentar Se Joga ao lado de Fernanda Gentil e Fabiana Karla Imagem: Victor Pollak/Globo
do UOL

Carolina Farias

Do UOL, no Rio

21/09/2019 04h00

Quem vir Érico Brás ao lado de Fernanda Gentil e Fabiana Karla na apresentação de Se Joga, novo programa das tardes da Globo, no ar a partir do dia 30, pode pensar que ele foi parar na bancada do esperado vespertino por ser um ator com carisma. Ledo engano. O ator baiano de 40 anos chegou ao posto porque correu atrás desse lugar.

"Tinha uma admiração pessoal por Cid Moreira. Fui vendo Silvio Santos, Hebe e falei: 'Eu sei fazer isso'. Sempre fui muito comunicativo, fui o cara da escola que organizava, chamava diretor. Quando caí na televisão, na arte de verdade e comecei a pagar minhas contas, eu disse: 'Sei fazer esse negócio'", contou Brás à reportagem do UOL na entrevista de lançamento do programa, nos Estúdios Globo, na zona oeste do Rio de Janeiro.

O reconhecimento do próprio talento não é da boca para fora. O ator fez um planejamento de carreira para um dia realizar o desejo de apresentar um programa. Quando Se Joga estrear, Brás será o único apresentador negro em um programa de entretenimento diário na TV aberta.

"Sinto falta de negros como eu, nesse lugar. Apesar de ter Gloria Maria, Heraldo Pereira [no jornalismo] e tal, eu decidi me programar para isso. Comecei meu plano de carreira e determinei aonde queria chegar. Aí veio o convite."

Fabiana Karla, Érico Brás e Fernanda Gentil vão apresentar Se Joga - Victor Pollak/Globo
Fabiana Karla, Érico Brás e Fernanda Gentil vão apresentar Se Joga
Imagem: Victor Pollak/Globo
O momento em que recebeu a proposta, segundo o ator, foi muito especial. Ele estava em uma viagem de turismo na Nigéria quando a equipe de produção do programa ligou.

"Juro a você, chorei muito. Estava na Nigéria. Estou até escrevendo sobre isso. A gente fala tanto de ancestralidade, do Brasil misturado com negro da África, e foi muito especial eu estar naquele lugar de onde praticamente descendo também, apesar da mistura, e receber uma das notícias mais importantes dos meus 40 anos. Foi emocionante, estou muito feliz."

Para Brás, a trinca de apresentadores do programa —que também terá quadro dos humoristas Marcelo Adnet, Paulo Vieira e Jefferson Schroeder— é uma espécie de combo representativo.

"Não dá para olhar para mim e dizer 'esse cara nao é preto'. As três pessoas no palco formam um combo de representatividade na programação. A Globo colocar no ar esse programa que contempla a diversidade é importante. Claro que falta muita coisa, mas essa renovação é importante. Tem nordestinos, gay, gordinha, mulher."

Estrada

Brás começou a carreira na televisão na Globo há dez anos, com a série Ó Paí, Ó e emendou vários trabalhos na emissora, entre eles a série Tapas e Beijos (2011-2015), em que ficou no elenco durante todas as temporadas. Mas, na carreira artística, começou bem mais cedo, aos 7 anos, nos palcos de teatro de Salvador, que lhe abriram caminho para a representatividade.

"Faço parte da política partidária brasileira há muito tempo, comecei aos 7 anos nos palcos. O teatro brasileiro, como no mundo todo, é político. Considerando esta nova fase, além do desafio, é a coroação da minha carreira. Tudo o que passei no cinema, nas artes e na televisão vem para coroar meu trabalho como apresentador. Mas não deixei de ser ator."

Para a nova função, Brás se aprofundou em pesquisas com uma nova rotina, mais voltada para o jornalismo.

"Está sendo difícil fazer essa transição. Acordo e vejo as redes sociais, leio os jornais. É diferente esse dia a dia, preciso estar antenado o tempo inteiro, olhando tudo. Eu estudo muito. Artista tem que estar atualizado, mas jornalista... Estou admirando, confesso. No programa, estamos focados em falar a verdade."

Nos bastidores, Brás garante que o clima é dos melhores e que há entrosamento e empatia com Gentil e Fabiana.

"Elas me bulinam, mas aqui é tudo permitido entre nós, com muito respeito [risos]. É um dos temperos da nossa lida. Temos brincado muito, usamos a comédia da vida real, o que aprendemos como artistas, e estamos aproveitando a comédia da Fernanda, que tem esse tempero. É a mistura da brincadeira dos bastidores que levamos para o palco com muita verdade", disse Érico, que ainda citou outro motivo para comemorar o programa.

"Maju Coutinho ainda vai começar e entregar para a gente", afirmou sobre a nova apresentadora do Jornal Hoje, que também estreia dia 30.

Mais Entretenimento