Topo

Startup brasileira de IA prevê expansão de 25% em clientes no setor farmacêutico até final do ano

27/09/2019 14h06

Por Peter Frontini

SÃO PAULO (Reuters) - A startup brasileira Altox, que desenvolveu uma tecnologia que permite substituir testes toxicológicos em animais por um sistema que utiliza inteligência artificial, pretende aumentar sua base de clientes do setor farmacêutico em 25% até o final deste ano, além de expandir presença na área de cosméticos e de agroquímicos em 2020.

A empresa, fundada em 2016 com financiamento da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), conta com 27 clientes da indústria farmacêutica no Brasil e fora do país, e também em setores como cosméticos e agroquímicos.

"Temos um processo 100% limpo, evitando tanto o uso de animais, como também a geração de poluentes", disse Carlos Eduardo Matos, diretor-técnico da Altox, destacando que o método traz um diferencial de competitividade para as empresas. Ele não revelou dados financeiros da empresa ou citou nomes de clientes atendidos.

A Altox desenvolveu a plataforma iS-Tox, lançada no final de 2018 e que utiliza inteligência artificial para a realização de testes por meio de modelos computacionais que podem substituir estudos toxicológicos feitos em laboratório, como testes para detectar reações de medicamentos em animais.

"Isso vai trazer um diferencial competitivo para nossa indústria para que consigam vender no exterior", afirmou Matos, já que na Europa o teste em animais é proibido desde 2009, enquanto no Brasil apenas alguns Estados proíbem esse tipo de teste, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

"Um estudo de carcinogênese em ratos, por exemplo, pode levar dois anos e custa mais de meio milhão de reais", afirmou. Na iS-Tox, um exame equivalente que utiliza o modelo computacional dura apenas alguns segundos e o custo pode variar, desde 450 dólares por teste único de um composto químico, indo até 100 mil dólares por ano para testes ilimitados.

A empresa também pretende mudar seu modelo de negócios para um sistema "Do It Yourself", em que realiza treinamentos com seus clientes para que eles mesmos realizem os estudos.

"O ideal é que cada cliente consiga fazer suas próprias análises, consiga andar com as próprias pernas, de modo remoto, sem a necessidade de um laboratório ou um computador potente", afirmou Matos.

Neste caso, os clientes desenham a estrutura da molécula a ser testada e o algoritmo da Altox avalia suas interações com as mais de 250 mil moléculas no banco de dados da plataforma, disponibilizando um relatório automático com todas as informações necessárias.

"Se o cliente tiver mil ingredientes, ele pode fazer o teste com os mil sem usar animais e sem precisar sintetizar um grama desses ingredientes", disse Matos.

Notícias