PUBLICIDADE
Topo

Blogueiros: brasileiros se rebaixam por veteranos decadentes como Touré?

Yaya Touré comemora seu gol pelo Manchester City na Liga dos Campeões - Getty Images
Yaya Touré comemora seu gol pelo Manchester City na Liga dos Campeões Imagem: Getty Images
do UOL

Do UOL, em Santos (SP)

26/02/2020 12h00

Resumo da notícia

  • Botafogo caminha para fechar com Yaya Touré, ex-Barcelona e City
  • Questão: Clubes brasileiros se rebaixam por veteranos decadentes?
  • "Chego a achar deprimente", analisa o blogueiro Juca Kfouri
  • Marcel Rizzo: "Dá visibilidade e, se atrair dinheiro, pode valer a pena"

Depois de acertar com o meia japonês Keisuke Honda, de 33 anos, o Botafogo se esforça para fechar com outro jogador experiente consagrado no futebol exterior: o volante Yaya Touré, ex-Manchester City e Barcelona, de 36 anos. A negociação agora está emperrada, e o otimismo botafoguense por sua contratação já não é mais o mesmo.

O marfinense brilhou na Europa por anos, mas hoje não tem mais o mesmo prestígio e, na última temporada, defendeu um time da segunda divisão da China (Qingdao Huanghai).

Diante do interesse do Bota em Touré e de tantas idas e vindas nas tratativas, o UOL Esporte abordou a seguinte questão com os blogueiros: os times brasileiros se rebaixam ao se interessarem por jogadores decadentes como o marfinense? É algo negativo para o clube ou uma boa estratégia para ganhar visibilidade? Confira o que eles pensam:

ANDRÉ ROCHA

Para o Botafogo, que nos últimos tempos só é pauta quando o tema é dívida, o ganho em visibilidade com Yaya e Honda, inclusive internacional, é grande.

Só é preciso equacionar os custos e o encaixe da dupla no time, acrescentando técnica e perdendo intensidade.

Leia o blog do André Rocha.

BOLÍVIA

Se for por um valor compatível com o retorno técnico + marketing, acho legal que as estrelas joguem no Brasil.

Leia o blog do Bolívia.

JUCA KFOURI

Chego a achar deprimente. Honda e Touré. Melhor seria Jairzinho e PC Caju.

Leia o blog do Juca.

MARCEL RIZZO

Dá visibilidade e, se atrair dinheiro com parceiros, pode valer a pena. Problema surge quando o clube parece desistir de qualificar o time para brigar de fato por títulos. Parece o caso do Botafogo.

Leia o blog do Marcel Rizzo.

MENON

A vinda de veteranos como Touré e Honda é um atrativo a mais para o futebol brasileiro. E também é a prova de um momento ruim. Na verdade, mais que um momento. Vendemos jovens e contratamos jogadores em fim de carreira. Reflexo de um eterno déficit econômico.

Leia o blog do Menon.

PERRONE

Não acredito que seja se rebaixar ir atrás de um veterano como Yaya Touré. Negativo não é. O importante é que o reforço faça parte de um projeto bem definido e eficiente. Nesse caso específico, o Botafogo precisa entender o que quer com Touré. Se chegar, ele não irá transformar a equipe numa máquina de ganhar jogos. Também não irá fazer o valor da marca Botafogo subir absurdamente. O interessante seria o poder que Touré teria para motivar o botafoguense, aumentar o engajamento dele com o clube e a presença de público nos estádios. Ainda mais com Honda ao seu lado. Movimento nesse sentido poderia acabar até fisgando novos investidores.

Leia o blog do Perrone.

RENATO MAURÍCIO PRADO

Clubes que não têm condições de comprar reforços mais jovens tentam, através de veteranos bons de bola, dotar seus times de um pouco mais de talento. Botafogo conseguiu isso, com Seedorf. Por isso, tenta repetir a dose com Honda e Yayá Touré. Não creio que eles possam contribuir muito em termos de imagem no exterior. Mas no Brasil, sim, vão despertar muita curiosidade e podem ajudar em termos de vendas de camisa e títulos de sócio torcedor. Resta saber se o custo benefício valerá a pena.

Leia o blog do Renato Maurício Prado.

Esporte