PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG precisa superar má fase do ataque para avançar na Sul-Americana

Setor ofensivo do Galo anda em baixa. Centroavante Di Santo tem dois gols no ano, mas é frequentemente criticado - Bruno Cantini/Atlético
Setor ofensivo do Galo anda em baixa. Centroavante Di Santo tem dois gols no ano, mas é frequentemente criticado Imagem: Bruno Cantini/Atlético
do UOL

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

20/02/2020 04h00

O Atlético-MG precisa vencer o Unión, da Argentina, na noite de hoje (20), pela partida de volta da primeira fase da Copa Sul-Americana por quatro ou mais gols de diferença para se classificar à etapa seguinte do torneio continental. Um triunfo por 3 a 0 leva o jogo para os pênaltis. O problema é que, em 2020, o ataque do Galo não tem funcionado.

Em oito partidas disputadas no ano, o time só obteve uma vitória com placar que seria suficiente para garantir a classificação: o triunfo por 5 a 0 sobre o Tupynambás, pela segunda rodada do Campeonato Mineiro. Nos outros dois resultados positivos, a equipe teve placares bem inferiores. Os comandados de Rafael Dudamel venceram o Uberlândia por 1 a 0 no primeiro compromisso de 2020 e bateram a URT pelo mesmo marcador na quinta rodada do Estadual.

Não foi apenas nas vitórias que o Galo sofreu com ausência de gols. O time também não convenceu nos outros jogos da temporada. A equipe passou em branco no empate por 0 a 0 com o Coimbra e na igualdade pelo mesmo placar com o Campinense, na Copa do Brasil. O pior dos resultados foi justamente contra o adversário desta noite. O Unión venceu o Galo por 3 a 0 na Argentina.

Mesmo diante de adversários sem tanta representatividade no futebol brasileiro, o Atlético sofre para fazer gols. A equipe marcou nove vezes em oito partidas, o que representa uma bola na rede a cada 80 minutos disputados. O momento é tão complicado que o Galo só celebrou em jogos do Estadual. Todos os nove gols aconteceram em partidas do torneio local - foram seis disputados ao todo. Nos dois jogos feitos por Copa do Brasil e Sul-Americana, o ataque passou em branco.

A dificuldade para marcar é devido à má fase dos homens de frente. Para de ter ideia, dos atacantes, somente três estufaram as redes: Franco Di Santo (duas vezes), Marquinhos e Bruno Silva. Os outros gols foram anotados por defensores ou meio-campistas.

A partida decisiva do Galo será jogada às 21h30 (de Brasília), na Arena Independência, em Belo Horizonte.

Esporte