Topo

Vasco x Fluminense marca bagunça no Carioca e confusão com "novo Maracanã"

ANDRÉ FABIANO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO
Após muita polêmica, torcedores foram barrados e entraram em confronto com a polícia Imagem: ANDRÉ FABIANO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO
do UOL

Bernardo Gentile

Do UOL, no Rio de Janeiro

2019-02-18T04:00:00

18/02/2019 04h00

O Vasco foi campeão da Taça Guanabara no último domingo após vencer o Fluminense por 1 a 0 no Maracanã. A partida, no entanto, ficou em segundo plano por conta de toda a confusão nos bastidores e que culminou com torcedores feridos após confronto com a polícia.

Sem dúvida alguma, a decisão do primeiro turno do estadual evidenciou o nível de bagunça que se encontra o futebol carioca. Neste cenário, nada mais justo que o Maracanã, que sempre foi a casa dos clubes do Rio e, agora está sob direção de empresários, ser o pivô de uma das maiores confusões já vistas nos últimos anos.

As cenas de barbárie vistas fora do estádio no mesmo momento em que a bola rolou dentro do Maracanã poderiam ter sido evitadas. Os clubes se reuniram em duas oportunidades nos últimos três dias. Por mais que a localização de cada torcida fosse o tema central das conversas, nenhum dos dirigentes se preocupou, de fato, com o torcedor e seu bem-estar.

Sorteio de mando e início da polêmica
Divulgação/Ferj
Imagem: Divulgação/Ferj

Na última sexta-feira, dia 15, houve uma reunião na Ferj (Federação de Futebol do Rio de Janeiro) para definir o plano de ação do jogo. Cada clube mandou seus representantes para aprovar as medidas necessárias para a realização do evento ao lado da polícia e da própria federação.

O Vasco venceu o sorteio, ganhou o mando de campo e deu início à polêmica. Isso porque o clube escolheu o Maracanã para ficar no setor sul. O Cruzmaltino teve a preferência do lado entre 1950 e 2013, quando o Maracanã passou a ser administrado por um consórcio e fechou com Flamengo e Fluminense como principais clientes. O Tricolor, então, garantiu em contrato a preferência pelo espaço antes ocupado pelo clube de São Januário.

Marcelo Penha foi o principal representante do Fluminense na reunião e fez ressalvas sobre um documento apresentado pelo rival que apontava os vascaínos no setor sul. O advogado tricolor deixou claro isso em ata na federação, mas nada ficou definido. Apenas postergou a polêmica entre os clubes.

Maracanã 'adota' Vasco, e abandona Flu
Thiago Ribeiro/AGIF
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Ao assinar contrato com o Maracanã, o Fluminense deixou de forma explícita que tem preferência pelo local. Foi justamente por isso que o Tricolor jogou por alguns anos, mesmo diante do Vasco, com sua torcida posicionada onde gostaria.

Nos últimos anos, o Fluminense tinha ao seu lado o fundamental apoio do Maracanã, que deu todo suporte necessário para que o clube levasse a melhor sobre o rival. O que o Tricolor não contava é que o consórcio mudou de lado e 'adotou' o Vasco, com quem negocia novo contrato. Além disso, o clube das Laranjeiras deve dinheiro ao estádio, o que aumentou a insatisfação.

Neste cenário, o Vasco ganhou o apoio do Maracanã, que tentou minar a importância do contrato com o Fluminense justamente por conta dos atrasos. Assim, o consórcio poderia simplesmente definir o Cruzmaltino, mandante do clássico, no local desejado pela diretoria de São Januário.

Pressionado, Flu tenta jogo sem torcida
Mailson Santana/Fluminense
Imagem: Mailson Santana/Fluminense

O Fluminense não aceitou muito bem a situação e se viu traído pelo Maracanã. Pressionado pelo conturbado momento político do clube, o presidente Pedro Abad foi até as últimas consequências e concedeu entrevista convocando torcedores para guerra, enquanto mandava seu departamento jurídico vetar a entrada de qualquer torcida na final.

No fim da noite de sábado, o Fluminense comemorou o que considerou uma vitória nos bastidores. Seu processo motivou a decisão da Justiça de que o clássico seria disputado sem torcedores por conta de todo o problema criado entre os clubes e Maracanã - e sem que a Ferj intervisse de maneira eficaz.

Vasco pressiona autoridades
Rafael Ribeiro / Flickr do Vasco
Imagem: Rafael Ribeiro / Flickr do Vasco

Não era apenas Pedro Abad quem estava pressionado. O presidente do Vasco, Alexandre Campello, também convive com clima pesado em São Januário ainda mais após grupos de oposição protestarem contra a homenagem feita às vítimas do incêndio no centro de treinamento Ninho do Urubu.

Campelo, portanto, precisava dar uma resposta e não poderia aceitar a 'derrota' imposta pela Justiça com a ajuda do Fluminense. Acordou no domingo disposto a reverter a decisão e participou de uma segunda reunião em três dias ao lado do presidente do Tricolor, Ferj e polícia.

No encontro, o Vasco assumiu o risco de pagar multa e teve o apoio da polícia para abrir o Maracanã para os torcedores. Pelo menos era o que eles pensavam que ia ocorrer.

Autoridades divergem e criam confusão
LUCIANO BELFORD/AGÊNCIA O DIA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: LUCIANO BELFORD/AGÊNCIA O DIA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO

O Vasco contou com o apoio da Polícia Militar que emitiu documento garantindo a segurança do evento com os portões abertos. Alexandre Campelo, por sua vez, assumiu o risco de ser multado caso algo saísse errado. De nada adiantou. Isso porque o JECrim não aceitou o argumento e manteve os portões fechados.

O relógio chegou às 17h, o jogo começou e as torcidas seguiram do lado de fora. Em maior número, os vascaínos se revoltaram e tentaram invadir o Maracanã. A polícia, que sempre esteve a favor da abertura dos portões, teve que agir para assegurar a ordem. Após muita confusão, o JECrim voltou atrás e liberou a entrada dos torcedores

Torcedor paga a conta
Jotta de Mattos/AGIF
Imagem: Jotta de Mattos/AGIF

Como tradicionalmente ocorre, o torcedor mais uma vez pagou a conta. E pagou caro. Tantos tricolores como vascaínos não sabiam o que fazer diante de tanta confusão. Os do clube de São Januário, de maior tamanho, tinham cerca de 20 mil ingressos. Os do Fluminense, em sua maioria, perderam a oportunidade de fazer parte da festa.

Os que foram ao estádio ainda tiveram que enfrentar varias dificuldades, principalmente os do Vasco. Quando o jogo começou, alguns tentaram invadir o Maracanã e viram a polícia agir de maneira veemente. Bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e balas de borracha foram distribuídas a torto e a direito. 

No fim das contas, 29 torcedores tiveram que ser atendidos por médicos de plantão no próprio estádio, mas foram logo liberados. A maioria foi por conta de efeito de gás lacrimogêneo. Dois deles, no entanto, foram transferidos para o Hospital Souza Aguiar, onde trataram um ombro deslocado e um tiro de borracha, disparado por um dos policiais.

Futebol e título em 2º plano
Thiago Ribeiro/AGIF
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Além de tudo isso, o Vasco venceu o Fluminense e foi campeão da Taça Guanabara. O gol marcado por Danilo Barcelos, no entanto, não teve o destaque que deveria. O próprio atleta comemorou o título, mas preocupado com a situação de sua mulher e filha, que foram ao jogo acompanhar o duelo.

O mesmo ocorreu com os técnicos Alberto Valentim, do Vasco, e Fernando Diniz, do Fluminense. Em suas entrevistas cada um respondeu poucas perguntas sobre futebol e muitas outras sobre polêmicas e confusões evidenciadas na organização do clássico. O "Mais Charmoso", como é chamado o Campeonato Carioca, precisa se organizar melhor.

Mais Esporte