PUBLICIDADE
Topo

Dia do Rock: 30 artistas que provam que o rock brasileiro está vivo!

A banda Metá Metá em show na Bulgária - Reprodução/Instagram
A banda Metá Metá em show na Bulgária Imagem: Reprodução/Instagram
do UOL

Katia Abreu

Colaboração para o UOL, de são Paulo

13/07/2020 12h16

Se nos últimos anos o rock perdeu popularidade, há 30 anos a coisa era bem diferente. Na carona de uma emocionada declaração de Phill Collins durante o megaevento Live Aid, em 13 de julho de 1985, as rádios de São Paulo passaram, a partir dos anos 1990, a promover a data por aqui como o Dia Mundial do Rock.

Naquela época, riffs de guitarra eram a trilha sonora oficial da juventude. De lá pra cá, muitas pedras rolaram. Agora, o mainstream é agropop. E a rebeldia juvenil parece preferir beats e rimas como principal expressão. Mas o rock não para: surgido de ritmos negros nos anos 1950, seguiu se fundindo a outros gêneros, sobreviveu em cenas e, recentemente, voltou até a incomodar autoridades, que o relacionaram com satanismo?

Polêmicas vazias a parte, o rock brasileiro está muito vivo! E, para celebrar, trazemos 30 indicações, entre veteranos e novidades, que mostram que ele ainda tem muito a dizer.

Sepultura

Colocaram o Brasil no mapa do metal mundial e, com mais 30 anos de carreira, são reconhecidos como uma das mais importantes bandas do estilo. Lançaram, em fevereiro deste ano, "Quadra". Com turnê interrompida pela pandemia, estão oferecendo conteúdos para os fãs inscritos no YouTube da banda.

Far From Alaska

A faixa que encerra o mais recente trabalho do Sepultura conta o vocal poderoso de Emmily Barreto. Ao lado de Cris Botarelli e Rafael Brasil, ela conduz o Far From Alaska, bebendo em influências de stoner e hard rock, a banda de Natal tem uma das performances mais vigorosas do cenário independente nos últimos anos.

Black Pantera

Pesado e combativo, o trio mineiro ainda é pouco conhecido por aqui, mas já marcou presença no renomado festival Afropunk. No calor dos protestos anti-racistas ao redor do mundo, lançaram essa pedrada:

Autoramas

Liderado pelo incansável Gabriel Thomaz, nas últimas duas décadas o grupo carioca levou sua divertida mistura de powerpop, new wave e iê-iê-iê a todo o mundo. Para se ter uma ideia, acabou de sair uma coletânea estilo "best of" da banda na Turquia!

Pin Ups

Eles são de uma época em que rock alternativo ainda era chamado de "guitar". Quase terminaram em 2015, mas ver o que seria o show de despedida lotado manteve os Pin Ups ativos e inspiradores, atravessando três décadas. No ano passado lançaram seu sétimo álbum, "Long Time No See You".

Pitty

Da estreia, com "Admirável Chip Novo", em 2003, ao recém-lançado single, "Roda", parceria com BaianaSystem, sempre se mostrou visceral e atenta. Na verdade, desde antes, na cena punk hardcore de salvador, com a Shes e a Inkoma. Roqueira de discurso afiado e capacidade impressionante de se reinventar.

Mulamba

Sonoridade crua e letras feministas são os trunfos da Mulamba. Soltaram recentemente um provocativo clipe para o remix de BadSista para "Espia, Escuta", faixa do álbum de estreia de 2018.

Karina Buhr

Com trajetória que começa na cultura popular, com o Comadre Fulozinha, e passa pelo Teatro Oficina, Karina se tornou um furacão em carreira solo. Seu último disco, Desmanche, é brutal; dos melhores lançamentos do ano passado.

Corte

Alzira E é tipo uma feiticeira urbana cantando o caos entre ruídos de guitarra e improvisos de metais dos caras do Bixiga 70. O Corte é rock de ruptura, daqueles que deixa a gente meio desnorteado pelo ritmo e pelos versos.

Nação Zumbi

Da criação do manguebeat às homenagens aos mestres, os pernambucanos criaram um sotaque próprio para o rock brasileiro, deixando um rastro de influências nas novas gerações.

Metá Metá

A ebulição sonora produzida pela voz de Juçara Marçal, a guitarra de Kiko Dinucci e o saxofone de Thiago França mergulha em ritmos africanos, brasileiros, jazz, música de vanguarda e a porrada que resulta não podia ser mais rock. É uma surra!

The Baggios

Lá se vão 15 anos desde que a The Baggios botou seu peculiar tempero nordestino no rock para rodar o mundo. Da ensolarada Aracaju para o mundo, colecionam turnês internacionais e duas indicações ao Grammy Latino.

Boogarins

Também com sólida carreira sendo construída em terras estrangeiras, os Boogarins trouxeram novas cores a cena rock brasileira. Para além da psicodelia, se mostram conectados ao rock contemporâneo mundial e alfinetam o cinismo de nossa época.

Planet Hemp

A esquadrilha da fumaça está de volta e confirmou novo álbum para 2020 ainda. A trupe de Marcelo D2 fez a cabeça de muita gente borrando os limites entre rock e hip-hop e acendendo discussões necessárias.

Ana Frango Elétrico

A brincadeira do nome artístico com o sobrenome real (Fainguelernt) já entrega o humor da carioca. Multiartista, Ana Frango Elétrico tem o algo do frescor da jovem Rita Lee e traduz em versos sagazes as incertezas de sua geração.

Menores Atos

O trio carioca conquistou pequenas multidões em todo o Brasil com sua música direta e versos sinceros e sentimentais, dividindo dúvidas e angústias. O último single, "Insone", é um ótimo exemplo do afago roqueiro do Menores Atos.

E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante

Camadas de guitarra, texturas sintéticas e quebras rítmicas: mas pode chamar de post-rock para ficar mais fácil. Nos últimos anos, o quarteto paulistano se firmou como um dos principais nomes a explorar estas paisagens em terras brasileiras.

Dead Fish

Com três décadas dedicadas ao hardcore, a banda capixaba continua com uma energia invejável, tanto nos palcos quanto em estúdio. O último disco, "Ponto Cego", saiu ano passado, disparando críticas ao cenário político brasileiro.

Letrux

Cabe de tudo no drama encarnado por Letícia Novaes. Nos dois registros em que assina como Letrux, ela flerta o vigor do rock em sua profundidade, do disco punk ao blues rock. E se rock é atitude, ela tem de sobra!

Brvnks

O rock também pode ser meio tristinho, como na melancolia agridoce da goiana Brvnks. Inspirada pelas guitarras alternativas dos anos 1990, sua música cativa pelo contraste da voz doce com a rispidez singela de seus versos.

Fresno

Ídolos do emocore, seguram a onda da sofrência roqueira há duas décadas. Se não bastasse o bom disco lançado ano passado, depois do projeto #quarentemo não sobrou dúvida da importância da banda liderada por Lucas Silveira.

Lupe de Lupe

A banda cultivou uma insana base de fãs pelo país, percorrido pelas famigeradas turnês "Sem sair na Rolling Stone". Vitor Brauer, vocalista do grupo, é dessas figuras de magnetismo ímpar e está envolvido com diversos projetos da Geração Perdida.

Taco de Golfe

Jovem trio sergipano de jazz rock une virtuose técnica a uma experiência visceral num som instrumental muito potente. O segundo registro, "Nó Sem Ponto II", saiu no início da pandemia e vai ter que aguardar um pouco para ganhar os palcos.

Hellbenders

Mais conhecida pelos talentos sertanejos, Goiânia é um tradicional celeiro de bons rocks. Uma das mais bandas mais celebradas de sua cena, o Hellbenders decidiu arriscar letras em português com um single repudiando as fake news.

Rakta

Carla Boregas e Paula Rebellato extrapolam quaisquer limites de gênero com esta bruxaria sonora. Os ruídos libertários das Rakta também têm colaboração do baterista Mauricio Takara (Hurtmold) e do insano trio carioca Deaf Kids.

Test

O barulho que estes dois caras conseguem beira o ensurdecedor. Rápidos, precisos e macabros, o Test não tem piedade e desce a mão. Armando um palco na rua, com uma kombi e um gerador, ou num show oficial, é uma experiência inacreditável.

Molho Negro

Do Pará do carimbó, vem o trio Molho Negro mostrando que ainda dá para ser roqueiro, irreverente, irônico e inteligente. Eles lançaram recentemente um docudrama sobre a banda.

Applegate

Novíssimo grupo paulistano aposta na psicodelia, com uma criativa base rítmica contornada por timbres e vocais etéreos. Com cinco singles lançados e um show muito bom, logo devem lançar novo material na rede.

La Leuca

Outra novidade para quem que brisa em ondas psicodélicas. Vem de Florianópolis e é um alento para quem curte melodias dreampop embaladas por vocal feminino. Com um EP lançado pela Deck, a La Leuca surpreendeu com shows em alguns festivais ano passado e preparam lançamento do primeiro álbum.

Jadsa

Não se deixe enganar se esbarrar com um vídeo dela, anos atrás, cantando a lindíssima "Oxumaré". A ancestralidade africana é apenas uma das matrizes para a guitarrista baiana para compor sua música desafiadora. Ela prepara disco para este ano, com influências de Itamar Assumpção e Alabama Shakes.

Entretenimento