Topo

Conheça os seis principais vilões do lixo

Danilo Verpa/Folhapress
Promulgada em 2010, PNRS definiu metas para manejo do lixo Imagem: Danilo Verpa/Folhapress

Felipe Freitas e Gabriel Argachoy

do RROnline*

15/08/2017 09h44

A Lei n° 12.305/10 ou Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) foi criada em 2010 com o objetivo de fazer o país lidar com o lixo de maneira mais efetiva e exigir de setores públicos e privados maior esclarecimento e compromisso com o gerenciamento dos resíduos sólidos.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos estabeleceu os principais vilões do lixo, que, se descartados da maneira incorreta, podem trazer grandes riscos ao meio ambiente.

Confira a seguir a lista dos produtos mais perigosos e a forma correta de descartá-los. Em muitos casos, o melhor destino são os centros de coleta. Você pode descobrir o mais próximo consultando a Prefeitura da sua cidade.

  • Renato Araújo/Agência Brasil

    Agrotóxicos e suas embalagens

    Embalagens de agrotóxicos podem liberar resíduos tóxicos para o solo. Esses detritos podem causar a contaminação de mananciais e lençóis freáticos e chegar a rios e lagos, por exemplo.

    Descarte correto: lave bem as embalagens após o uso, repetindo o processo três vezes para retirar os produtos químicos. Depois, corte e faça furos na embalagem para evitar que ela seja utilizada novamente. Leve essas embalagens aos postos de reciclagem que podem receber esse tipo de material ou contate o revendedor do produto, para que ele indique o estabelecimento correto para o descarte.

  • Isadora Brant/Folhapress

    Pilhas e baterias

    Esses objetos possuem, em sua composição, líquidos - os chamados metais pesados, como o cádmio e o mercúrio, por exemplo. Esses metais pesados saem de baterias e pilhas conforme o pouco uso ou em caso de inatividade, ou ainda quando os produtos são manuseados de maneira incorreta. Eles prejudicam a produtividade do solo.

    Descarte correto: você pode levar esses objetos para centros de reciclagem ou lojas que recolham esse tipo de material, como alguns supermercados e livrarias. Outra opção é entrar em contato com o fabricante, que irá lhe indicar os locais autorizados pela marca para o descarte.

  • Reprodução/360doc

    Pneus

    O descarte incorreto desse tipo de material pode gerar grandes problemas para o meio ambiente e a saúde pública, como o acúmulo de água nos pneus - que pode gerar a proliferação de mosquitos que transmitem doenças como a dengue.

    Descarte correto: os pneus velhos podem ser encaminhados para a reciclagem, por meio de centros de coleta de materiais. Existe também a opção de reaproveitar os pneus como balanços ou objetos de decoração, porém tendo o cuidado de não deixar acumular água. Se ainda tiverem condições de uso, os pneus podem ser recauchutados para serem utilizados em veículos por mais tempo.

  • Lacaz Ruiz/A13/Folhapress

    Óleos lubrificantes e suas embalagens

    Óleos em geral têm potencial para causar grandes impactos, como a contaminação do solo e da água. Para se ter uma ideia, um litro de óleo pode contaminar cerca de 25 mil litros de água, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente.

    Descarte correto: os óleos lubrificantes podem ser reutilizados, pois passam pelo processo de refino em estações especializadas. Depois de usar, você deve levar esses líquidos, e também suas embalagens, para centros de coleta que podem reciclá-lo.

  • Ruben Sprich/Reuters

    Lâmpadas fluorescentes

    Essas lâmpadas possuem, em sua composição, o mercúrio, que é um metal pesado e nocivo ao ser humano. Esse metal, se descartado de maneira incorreta, contamina rios e lagos, o que pode levar, entre outros problemas, a chuvas ácidas e à contaminação de outras espécies animais.

    Descarte correto: esse tipo de lâmpada não é reciclável, porque o vidro utilizado é diferente e contém traços de metal. Porém o ideal não é jogá-las em lixo comum e sim destiná-las a centros de coleta.

  • Reuters

    Produtos eletroeletrônicos e seus componentes

    Produtos eletrônicos contêm elementos nocivos, como o chumbo, o cádmio, o berílio, etc. O descarte incorreto pode causar a contaminação de lençóis freáticos, contaminação das pessoas que vivem próximas às regiões do descarte, além da demora na decomposição de materiais como o plástico e o metal.

    Descarte correto: já existe uma grande gama de empresas e cooperativas que trabalham com a reciclagem de produtos eletrônicos. Você também tem a opção de devolver ao fabricante, já que a maioria das grandes empresas tem políticas de recebimento desse tipo de material.

    * Conteúdo produzido por alunos de Jornalismo da Universidade Metodista de SP, sob orientação do professor Ricardo Fotios

Mais UniBOL