PUBLICIDADE
Topo

Entretenimento

Trump fixa 15 de setembro como data limite para venda do TikTok

03/08/2020 20h07

Washington, 3 Ago 2020 (AFP) - O presidente Donald Trump disse nesta segunda-feira (3) que o popular aplicativo de compartilhamento de vídeos TikTok, de propriedade chinesa, estará "fora de operação" nos Estados Unidos até 15 de setembro, dando luz verde às negociações com a Microsoft.

"Marquei uma data por volta de 15 de setembro, quando a empresa estará fora de operação nos Estados Unidos", disse a repórteres.

"Ele será encerrado em 15 de setembro, a menos que a Microsoft ou alguém mais possa comprá-lo e concluir um acordo", acrescentou.

Os comentários do presidente pressionam a ByteDance, empresa controladora da TikTok, a fechar um acordo de venda, ao mesmo tempo em que é apontada por Washington como ameaça à segurança nacional dos EUA.

Mas Trump também lançou uma nova condição surpresa, observando que a venda da filial da TikTok no país representaria um pagamento significativo ao Tesouro dos EUA.

"Uma parte muito substancial desse preço terá que entrar no Tesouro dos Estados Unidos, porque estamos possibilitando esse acordo", disse Trump a jornalistas.

- Proprietário chinês admite pressão -Utilizado por cerca de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo para fazer pequenos vídeos em seus celulares, o TikTok é a mais recente frente nas batalhas políticas e comerciais entre Washington e Pequim que marcaram o governo Trump.

Embora a empresa negue que os dados de seus usuários sejam divulgados ao governo chinês, o fundador da ByteDance, Zhang Yiming, reconheceu estar sob pressão nesta segunda-feira, observando que eles trabalham 24 horas por dia "para obter o melhor resultado possível".

"Sempre nos comprometemos a garantir a segurança dos dados do usuário, bem como a neutralidade e transparência da plataforma", disse Zhang aos funcionários em comunicado interno, segundo a mídia chinesa.

No entanto, disse ele, o TikTok enfrenta "crescentes complexidades no cenário geopolítico e significativa pressão externa".

Ele destacou que a empresa deve enfrentar os desafios dos institutos de segurança dos Estados Unidos e de Trump, que não deve "desistir de explorar qualquer possibilidade".

Segundo o jornal britânico The Sun, a ByteDance está considerando transferir as operações globais da TikTok, hoje com sede em Los Angeles, para o Reino Unido.

- Pequim questiona EUA-Muito popular entre os jovens, o Tiktok permite que os usuários criem e compartilhem vídeos de até 60 segundos, geralmente divertidos, mas também sérios e até artísticos.

O TikTok nega ser uma ferramenta para a inteligência chinesa, dizendo que os dados de seus usuários internacionais são mantidos em servidores fora da China.

Mas no domingo, o chefe da diplomacia dos EUA, Mike Pompeo, alertou que empresas como a TikTok podem estar obtendo informações de cidadãos como seu "padrão de reconhecimento facial", "residência", "números de telefone", "amigos" e "quem eles contatam".

Também nesta segunda, o Ministério das Relações Exteriores chinês criticou a pressão feita pelos Estados Unidos, classificando Washington como hipócrita por solicitar a venda do TikTok.

"Os EUA estão usando de forma abusiva o conceito de segurança nacional e, sem apresentar nenhuma evidência, estão fazendo presunções de culpa e ameaças a empresas importantes", informou o porta-voz Wang Wenbin.

"Isso vai contra o princípio da economia de mercado e mostra a hipocrisia e padrões dúbios típicos dos Estados Unidos em defesa da justiça e liberdade", acrescentou a pasta.

Na Casa Branca, Trump afirmou nesta segunda-feira que teria preferência de que uma empresa "muito americana" comprasse todas as operações do TikTok, em vez de ter apenas uma grande participação.

"Não pode ser controlado, por razões de segurança, pela China. Muito importante, muito invasivo", disse o presidente americano sobre o aplicativo, em aprovação às negociações da Microsoft.

Trump, um magnata do setor imobiliário que virou político, explicou sua demanda de pagamento ao Tesouro de qualquer aquisição da TikTok, comparando-a com a prática de alguns proprietários, ilegais em muitos lugares, de exigir dos novos inquilinos "dinheiro para as chaves". Ou seja, um pagamento para garantir o contrato de locação.

A Microsoft não divulgou declarações nesta segunda-feira, mas afirmou em nota no domingo que, se concluir a aquisição, prometeu "fornecer os benefícios econômicos aos Estados Unidos, incluindo ao Tesouro".

A ameaça de Trump na semana passada de que ele proibiria o TikTok causou grande preocupação entre os usuários nos Estados Unidos, especialmente criadores de conteúdo que ganham dinheiro com a plataforma.

sms-ad/mr/aa/bn/mvv/jc

GOOGLE

MICROSOFT

Entretenimento