Topo

Morre Johnny Clegg, lendário cantor sul-africano, aos 66 anos

O cantor sul-africano Johnny Clegg - Fadel Senna/AFP
O cantor sul-africano Johnny Clegg Imagem: Fadel Senna/AFP

De Johannesburgo

16/07/2019 17h06

O cantor Johnny Clegg, uma lenda da música na África do Sul, morreu hoje, aos 66 anos, após uma longa batalha contra um câncer de pâncreas diagnosticado em 2015, informou seu representante, Roddy Guinn.

"Johnny deixa marcas profundas nos corações de todas as pessoas que se consideram africanas. Ele nos mostrou o que era assimilar e abraçar outras culturas sem perder sua identidade", ressaltou o Guinn, que detalhou que o cantor morreu em casa, em Johannesburgo, onde estava acompanhado da família.

Guinn lembrou que Clegg foi "um antropólogo que usava a música para falar com cada pessoa".

"Com seu estilo único de música, atravessou as barreiras culturais como poucos e despertou a consciência em muitos de nós", comentou.

Johnny Clegg nasceu em 7 de junho de 1953 na cidade de Bacup, no Reino Unido, mas se mudou para Johannesburgo aos 6 anos com a mãe rodesiana, que tinha se divorciado do pai inglês.

Durante a adolescência, Clegg se misturou com trabalhadores zulus e mergulhou na cultura e na música do maior grupo étnico da África do Sul. Conhecido como o "Zulu Blanco", o artista atuou com músicos negros durante o regime de segregação do apartheid e inclusive foi detido pela polícia.

Clegg liderou duas bandas multirraciais, Juluka e Savuka, e também teve uma carreira solo com projeção internacional com discos como Cruel, Crazy, Beautiful World.

Em 1999, Clegg chegou a dançar no palco com o então presidente sul-africano e grande herói da luta contra o apartheid, Nelson Mandela, ao qual dedicou uma canção reivindicativa da banda Savuka chamada Asimbonanga.

Uma de suas músicas mais conhecidas, Scatterlings of Africa, entrou para a lista de grandes sucessos musicais do Reino Unido e fez parte da trilha sonora do filme Rain Man (1988), ganhador de quatro estatuetas do Oscar.

Clegg, que estudou antropologia e combinou esses conhecimentos com a música, também deu aula nas universidades sul-africanas de Witwatersrand e Natal.

Entre outros reconhecimentos, o músico foi agraciado em 2012 com a Ordem de Ikhamanga do governo sul-africano, que premia a excelência nas artes; e recebeu em 2015 a distinção de oficial da Ordem do Império Britânico no Reino Unido.

Em entrevista concedida em 2017, o cantor falou com resignação da doença que, mais tarde, tirou a sua vida: "Lido com outro mundo paralelo no qual trabalho com o meu diagnóstico. O câncer de pâncreas é letal. Não há saída", afirmou.

Johnny Clegg deixa a esposa, Jenny, e os dois filhos, Jesse e Jaron.

Mais Entretenimento