Topo

Ricardo Boechat é cremado em cerimônia reservada a familiares

do UOL

Do UOL, em São Paulo

12/02/2019 16h42

O corpo do jornalista Ricardo Boechat foi cremado na tarde de hoje (11) no cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. A cerimônia foi restrita a familiares e amigos próximos, diferentemente do velório, encerrado no início da tarde e aberto ao público, realizado no MIS (Museu da Imagem e do Som), na capital paulista.

Somente o "Brasil Urgente", da Band, cobriu a cremação de Boechat. Segundo a reportagem do programa, a cerimônia foi realizada rapidamente e encerrada antes das 16h.

O velório, iniciado na noite de ontem, teve choros e homenagens ao jornalista, vítima de um acidente de helicóptero. Taxistas ouvintes de Boechat na rádio BandNews FM fizeram um buzinaço para agradecer ao apoio dele pela categoria. Um ato semelhante ocorreu em frente à sede da Band. Os motoristas também colocaram placas de táxis em cima do caixão.

O funeral recebeu filas de fãs para um último adeus ao jornalista, que foi aplaudido ao final da cerimônia. A mulher de Boechat, a jornalista Veruska Seibel, chegou à cerimônia acompanhada pelas duas filhas, Valentina, 12, e Catarina, 10, e também de Dona Mercedes, mãe do âncora.

"Eu quero falar que meu marido era o ateu que praticava o mandamento mais importante, que era do amor ao próximo. Nunca vi alguém se preocupar a ajudar tanto todo mundo. Agora ele é nosso anjinho. Que Deus me ajude com as nossas filhas", disse ela, bastante emocionada. 

Os outros filhos de Boechat também compareceram ao velório do pai. Eles chegaram em uma van, mas evitaram conversar com a imprensa.

Por volta das 23h20, o corpo de Ricardo Boechat chegou em um carro do serviço funerário da Prefeitura de São Paulo. O caixão foi levado por familiares até o salão onde aconteceu o velório no MIS.

O governador de São Paulo, João Doria Jr., Otávio Mesquita, o comediante Márvio Lúcio, o Carioca, e o jornalista Augusto Nunes foram alguns dos primeiros a chegarem ao local, ainda na noite de segunda (11).

Em conversa com a imprensa, João Carlos Saad, presidente do Grupo Bandeirantes de Comunicação, falou em grande perda para o jornalismo brasileiro e citou ainda "coisas inadequadas" que andam acontecendo, como "barragens", "dormitórios" e possivelmente um "helicóptero inadequado". 

Pela manhã, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, disse que pretende realizar uma homenagem ao jornalista em local um público da cidade. Representando a Presidência da República, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, disse que as críticas de Ricardo Boechat a Bolsonaro não "afetaram o respeito que o presidente da República tinha por ele".

Colegas do jornalista na Band, como o colunista José Simão e o apresentador Eduardo Barão se emocionaram ao falar sobre a falta de Boechat. 

Ana Paula Padrão disse que o âncora promoveu uma revolução no jornalismo televisivo e Milton Neves dissse que a comoção com a morte do colega lembrava a das mortes de Ayrton Senna e Tancredo Neves.

Serginho Groisman disse que lembrará Boechat como um homem de "argumento, bom humor e firmeza". O apresentador do "Bem Estar", Fernando Rocha, definiu o jornalista como um "comandante dessa luta nesse mundo tão pernicioso" e Roberto Cabrini, como uma referência, alguém "que ensinava muito e estava sempre aberto a aprender".

O acidente

Boechat morreu em acidente de helicóptero na Rodovia Anhanguera, em São Paulo, por volta do meio-dia de ontem, quando voltava de uma palestra em Campinas. O piloto da aeronave, Ronaldo Quattrucci, que tentava fazer um pouso de emergência quando colidiu com um caminhão, não resistiu aos ferimentos e morreu no acidente.

Pela manhã, Boechat havia participado de um evento de um laboratório farmacêutico em Campinas e retornava para o heliponto da Band, no Morumbi, zona oeste de São Paulo, na hora da queda. 

Mais Entretenimento