PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Dólar opera em alta de 0,54%, vendido a R$ 5,266, e Bolsa cai 1,07%; siga

Ontem o dólar caiu 0,38%, fechando a R$ 5,238 na venda - Reprodução
Ontem o dólar caiu 0,38%, fechando a R$ 5,238 na venda Imagem: Reprodução
do UOL

Do UOL, em São Paulo

16/09/2021 09h15Atualizada em 16/09/2021 14h42

O dólar comercial operava em alta e a Bolsa em queda na tarde de hoje. Por volta das 14h40 (de Brasília), a moeda norte-americana subia 0,54%, vendida a R$ 5,266.

No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira, operava em queda de 1,07%, atingindo 113.832,99 pontos, em meio a um exterior desfavorável e manutenção de incertezas domésticas.

Ontem (15) o dólar caiu 0,38%, fechando a R$ 5,238 na venda, e a Bolsa fechou com baixa de 0,96%, a 115.062,539 pontos. A moeda americana vem intercalando resultados desde o último dia 3, não tendo acumulado nem duas altas, nem duas quedas consecutivas no período.

Contribuiu para a valorização do real ontem — e, consequentemente, a queda do dólar — a divulgação de dados econômicos do Brasil melhores do que o esperado. Pela manhã, o Banco Central informou que o IBC-Br, considerado uma prévia do PIB (Produto Interno Bruto), registrou alta de 0,6% em julho na comparação com o mês anterior.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

China e precatórios

De acordo com a equipe da Planner, investidores continuam atentos às notícias da China, que segue lidando com problemas internos na sua economia e na política, com regulações impostas às empresas pelo governo. Tais eventos têm pesado nos preços do minério de ferro e afetado as ações da Vale.

No Brasil, agentes financeiros veem a falta de avanço efetivo nas negociações relacionadas à questão dos precatórios como um componente que infla ainda mais as incertezas sobre a trajetória das contas públicas para o próximo ano, em meio a perspectivas de crescimento menor, juros e inflação em alta.

Em comentários a clientes, a Guide Investimentos também citou impasse em torno do financiamento dos precatórios enquanto o governo federal busca uma fonte de financiamento para o seu "Auxílio Brasil", nova versão do programa Bolsa Família.

Este conteúdo foi gerado pelo sistema de produção automatizada de notícias do UOL e revisado pela redação antes de ser publicado.

Com Reuters

Notícias