PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Fiat Elba de Bolsonaro? Por que antiga perua voltou a bombar nas redes

Fiat Elba foi decisiva para abertura de processo de impeachment do ex-presidente Collor - Divulgação
Fiat Elba foi decisiva para abertura de processo de impeachment do ex-presidente Collor Imagem: Divulgação
do UOL

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo

23/06/2021 12h04

Carro que ficou famoso na história do Brasil, o Fiat Elba voltou a dominar as conversas nas redes sociais nesta quarta-feira (23). E tudo pelas suspeitas de irregularidades na compra da vacina indiana contra covid-19 Covaxin por parte do governo federal. Mas o que isso tem a ver com a antiga perua da marca italiana?

Podemos dizer que a Fiat Elba Weekend 1991 foi um carro que mudou o destino de um país. Em 1992, a unidade que pertencia ao então presidente da República Fernando Collor de Mello foi decisiva para o processo que resultou na sua renúncia ao cargo, no fim daquele ano.

Investigações na época apontaram que a perua teria sido adquirida com dinheiro proveniente de contas fantasma de PC Farias, que foi tesoureiro da campanha presidencial em 1989. O fato foi decisivo no processo de impeachment de Collor, que decidiu renunciar, na tentativa frustrada de preservar seus direitos políticos.

Vale destacar que em 2014 Collor foi absolvido por unanimidade pelo STF (Supremo Tribunal Federal) da acusação de desvio de recursos públicos por falta de provas. Ele também foi absolvido em outro processo em 1994 pelo Supremo, pela mesma razão.

Ainda assim, isso não impediu que o assunto - e principalmente a Fiat Elba - dominasse as discussões no Twitter nesta quarta, com críticos ao governo federal apontando paralelos entre a queda de Collor e as pressões sofridas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

UOL Carros foi atrás da Elba do Collor

Mas qual teria sido o destino deste carro que teve papel decisivo na história do Brasil? Descobrimos que seu final não foi feliz. A Elba ainda está registrada em nome do político, que hoje cumpre o segundo mandato como senador representando Alagoas. Atualmente, ele é filiado ao PROS.

Um fato curioso, porém, é que o senador deu baixa no documento. Ou seja: o modelo da Fiat não tem mais autorização para rodar em vias públicas e pode até ter virado sucata. A reportagem questionou a assessoria do senador, sobre o destino do carro, se o mesmo chegou a ser desmontado ou se repousa sem circular na Casa da Dinda, a mansão do político em Brasília (DF), mas não obteve resposta.

Antes de seu destino final, a Elba de Collor apareceu em fotos que circularam nas redes sociais há alguns anos. Em uma das imagens, aparece já bastante deteriorada, em local desconhecido e com placa cinza - originalmente, ela foi emplacada no padrão amarelo.

O próprio Collor, em conversa com seguidores em sua conta no Twitter em 2020, chegou a comentar sobre o carro:

Na mesma conversa, outro internauta pergunta se Collor tem fotos com o veículo e ele disse que não, sugerindo pesquisar imagens na internet.

O ex-presidente também falou que não tem "nenhuma" saudade da perua que contribuiu para a perda do mandato.

Hoje com 71 anos, Fernando Collor é um conhecedor de automóveis e gosta de modelos esportivos e sofisticados.

Em 2015, três carros da sua coleção foram apreendidos pela Polícia Federal, como parte da Operação Lava Jato, por suspeita de que tivessem sido comprados com dinheiro de práticas criminosas.

O Lamborghini do senador Collor, avaliada em R$ 3,3 milhões, dirigida por um agente da PF. - Folha/UOL - Folha/UOL
Lamborghini Aventador Roadster de Collor apreendido em 2014 é avaliado em R$ 2,8 milhões
Imagem: Folha/UOL

Agentes da PF levaram um Lamborghini Aventador Roadster 2014, uma Ferrari 458 Italia 2011 e um Porsche Panamera 2012, avaliados em R$ 4,12 milhões. Alguns meses depois, os veículos foram devolvidos e o senador comemorou nas redes sociais.

De acordo com a Tabela Fipe, uma Fiat Elba Weekend 1.5 1991 semelhante à do político hoje custa em torno de R$ 4,4 mil.

Conheça a Fiat Elba azul que é xodó de Tirullipa:

Notícias