Topo

Caracas Country Club: onde a minoria espera o colapso do regime

Ethan Bronner

17/10/2019 16h48

(Bloomberg) -- Há um novo código de vestimenta no Caracas Country Club.

Uma placa no vestíbulo do santuário centenário da civilidade e da riqueza destaca que, a partir deste outono, os cavalheiros precisam de blazers na sala de jantar e no bar El Pingüino, assim chamado pelo ar condicionado ártico. Senhoras e senhores são advertidos que tênis e roupas esportivas são inaceitáveis ??em qualquer lugar fora da quadra de tênis e da academia.

Claro, se você está tomando um coquetel de rum em um pátio de terracota perto da piscina de estilo Hockney, jogando no campo de golfe de 18 buracos ou cavalgando, as regras são mais relaxadas. E, para ser sincero, o código de vestimenta existe há décadas. Ultimamente, houve deslizes. Portanto, o conselho publicou as diretrizes antigas e as declarou novas.

Pode parecer notável, se não obsceno, que uma cidadela como essa exista e prospere no meio de uma das cidades mais violentas e angustiadas do mundo, a capital de um país cuja economia entrou em colapso e onde as taxas de desnutrição e doenças estão subindo. Milhões emigraram para escapar da rotina de encontrar apenas o suficiente para comer, de viver sem eletricidade confiável ou água da torneira. E aqui, dentro de uma graciosa fazenda onde os lustres brilham, há um foco renovado no protocolo de vestimenta.

Mas o Caracas Country Club não é meramente frívolo. Sua persistência representa muitas coisas - incluindo a profundidade do colapso da nação mais rica em petróleo do mundo. O clube também é uma prova dos limites do poder do governo neste autodeclarado país socialista. O falecido Hugo Chávez, que considerava o golfe burguês, gostava de ameaçar de que iria se apropriar do campo para um projeto de habitação pública, mas nunca levou o assunto adiante. Seu sucessor, Nicolás Maduro, praticamente ignorou o local. Recentemente, as sanções econômicas dos EUA o obrigaram desesperadamente a fechar os olhos para a iniciativa privada renovada por membros e outros que poderiam apoiar o que resta da economia. Alguns aliados ao seu regime chegaram a procurar se associar ao clube, o que levou a uma campanha da velha guarda para afastá-los.

Agora, dentro do clube, há mais do que um pouco de arrependimento de que, antes da revolução do final dos anos 90, quando Chávez criou um autoritarismo de inspiração e apoio cubano, a classe executiva havia ficado de fora da política, cedendo o campo aos populistas.

"Nós, os industriais, acreditamos há muito tempo que ficaríamos bem em deixar a política para os outros", disse Juan Pablo Olalquiaga, sócio do clube, que neste verão renunciou à presidência da Câmara Nacional da Indústria da Venezuela. "A visão antiga era de que a política cheira mal. Éramos burros em acreditar nisso. Agora percebemos que devemos influenciar mais a política."

Homens e mulheres do clube estão entre aqueles que aproveitaram os petrodólares que surgiram quando os preços do petróleo quadruplicaram no início dos anos 70 e transformaram a Venezuela em um dos países mais ricos do mundo quase da noite para o dia. Foi a política pública míope que acompanhou o boom que finalmente devastou as fortunas de milhões de venezuelanos e produziu a revolução socialista que esses sócios do clube estão suportando. Tentam se apegar a seus bens, recusando, ao contrário de tantos amigos e parentes, a se mudar para Miami ou Madri.

Encontram um estranho conforto no sentido de serem reféns em um sequestro nacional. Planejam uma reconstrução em larga escala se e quando Maduro puder ser derrubado, como exigem os EUA e dezenas de outros países. Não que os venezuelanos estejam olhando para os 0,01% amplamente ressentidos como sua salvação.

Notícias