PUBLICIDADE
Topo

Listas

Relembre 15 acidentes fatais que marcaram a Fórmula 1

Colaboração para o BOL

24/11/2018 14h00

A morte de Ayrton Senna, que completou 24 anos em 2018, foi a tragédia na Fórmula 1 que mais marcou os brasileiros. Relembre alguns acidentes fatais que aconteceram na categoria.


Leia também:

  • Reprodução/Instagram

    Jules Bianchi - outubro de 2014

    O promissor piloto francês, que à época defendia a escuderia Marussia, bateu em um trator que recolhia o carro de Adrian Sutil, que quebrou durante a corrida no Circuito de Suzuka, no Japão. Bianchi ficou em coma durante nove meses, e morreu em 17 de julho de 2015

  • Norio Koike

    Ayrton Senna - maio de 1994

    Uma das mortes mais trágicas da história de todos os esportes. No dia 1º de maio de 1994, o brasileiro Ayrton Senna bateu sua Williams durante a corrida no GP de San Marino na curva Tamburello. O impacto da batida fez com que uma peça de suspensão do carro atravessasse a viseira do capacete e causasse um traumatismo craniano, que vitimou o ídolo brasileiro. Após o acidente de Senna, a Fórmula 1 melhorou a segurança dos carros, diminuindo a quantidade de fatalidades

  • Reprodução/Motorsport.com

    Roland Ratzenberger - abril de 1994

    No mesmo final de semana da morte de Ayrton Senna, o austríaco Roland Ratzenberger também teve um destino trágico. Um dia antes, 30 de abril de 1994, durante o treino classificatório, o piloto, que corria pela escuderia Simtek, bateu em alta velocidade no muro da curva Villeneuve e morreu

  • Reprodução/Flaout.com.br

    Gilles Villeneuve - maio de 1982

    O piloto canadense Gilles Villeneuve morreu após um acidente marcante na Fórmula 1. Durante o treino qualificatório no GP da Bélgica, no Circuito de Zolder, sua Ferrari, em alta velocidade, tocou na roda traseira do Marc-Ford de Jochen Mass, capotou diversas vezes e ficou completamente destruída. Villeneuve acabou sendo ejetado do carro, foi socorrido, mas morreu devido a uma lesão gravíssima na cervical

  • Reprodução/Pitlane.gr

    Ronnie Peterson - setembro de 1978

    O circuito de Monza, na Itália, foi palco do acidente que tirou a vida do sueco Ronnie Peterson, que dirigia uma Lotus-Ford. Na largada da corrida, uma batida generalizada aconteceu devido a um erro da direção de prova. Peterson teve fraturas múltiplas nas pernas, mas morreu devido a um erro cirúrgico que provocou uma embolia gordurosa em sua corrente sanguínea

  • Reprodução/Blog Grande Prêmio

    Tom Pryce - março de 1977

    O GP da África de 1977 foi marcado por duas mortes trágicas. O carro do piloto Renzo Zorzi pegou fogo, e dois voluntários estavam a postos para conter o incêndio. No entanto, o Shadow-Ford do galês Tom Pryce passou em alta velocidade e atropelou Jansen van Vuuren, um dos voluntários, que morreu instantaneamente. O extintor de incêndio que carregava acertou a cabeça de Pryce, que também morreu na hora

  • Reprodução/Medium/Primal Numbers

    Mark Donohue - agosto de 1975

    O americano Mark Donohue estava no auge da carreira quando foi vítima de um acidente bizarro durante os treinos do GP da Áustria. Um poste caiu e atingiu sua cabeça. Inicialmente não parecia ter acontecido nada de muito grave, até que as dores de cabeça aumentaram, e o piloto precisou ser levado ao hospital. Lá foi descoberta uma hemorragia. Donohue entrou em coma e morreu no dia 19 de agosto de 1975

  • Reprodução/Snaplap

    Helmuth Koinigg - outubro de 1974

    Uma das mortes mais brutais que aconteceram na Fórmula 1 foi a do austríaco Helmuth Koinigg. Durante o GP dos Estados Unidos, o piloto perdeu o controle do carro e bateu no muro de proteção. O impacto foi tão forte que acabou por decapitá-lo. Nessa mesma corrida, o brasileiro Emerson Fittipaldi foi campeão pela segunda vez na F1

  • Raimund Kommer/WikiMedia Commons

    François Cevert - outubro de 1973

    O francês François Cevert era companheiro do campeão mundial Jackie Stewart na equipe Tyrrel Ford e acabou encontrando seu destino fatal nos treinos classificatórios do GP dos Estados Unidos. Cevert perdeu o controle do carro, que ficou de cabeça para baixo se arrastando no guard rail da pista. Como resultado do acidente, o piloto foi degolado. Esse foi um dos acidentes mais graves que já ocorreram no esporte

  • Reprodução/LiveGP

    Roger Williamson - julho de 1973

    Durante o GP da Holanda, o pneu do carro do piloto britânico Roger Williamson estourou em um momento de alta velocidade, ocasionando um capotamento por centenas de metros. Além da batida, o carro começou a pegar fogo. A demora na chegada da equipe de socorro acabou fazendo com que Williamson morresse asfixiado pela fumaça. Nessa época, a Fórmula 1 recebeu o apelido de "O esporte que mais mata"

  • Reprodução/Swr.de

    Jochen Rindt - setembro de 1970

    Um dos principais astros da Fórmula 1 na época, Jochen Rindt era líder do campeonato mundial, mas acabou morrendo devido a uma falha nos freios da sua Lotus, que bateu contra um guard rail em alta velocidade. O cinto de segurança acabou por estrangulá-lo. Foi o primeiro (e único até hoje) campeão póstumo da F1

  • Reprodução/GrandPrix247.com

    Ricardo Rodríguez - novembro de 1962

    O mais jovem piloto a morrer na Fórmula 1 foi o mexicano Ricardo Rodríguez. Com apenas 20 anos, vivia seu segundo ano de carreira. No GP Do México, seu carro bateu em alta velocidade, o que causou um politraumatismo, levando o piloto à morte antes mesmo da chegada do socorro médico. Sua morte causou luto nacional no México

  • Reprodução/Blog do Boueri

    Wolfgang von Trips - setembro de 1961

    Grande favorito para vencer a temporada de 1961, Von Trips morreu durante o GP da Itália, quando seu carro se envolveu em um acidente com a Lotus de Jim Clark e acabou sendo jogado para as arquibancadas. Além da morte do alemão, 14 pessoas que assistiam à corrida também morreram

  • Reprodução/Projeto Motor

    Alan Stacey e Chris Bristow - junho de 1960

    19 de junho de 1960 foi um dia trágico para a Fórmula 1. Dois pilotos morreram na mesma corrida, disputada na Bélgica. Chris Bristow foi decapitado após seu carro perder o controle na curva Burnenville e bater em uma cerca. Já Alan Stacey foi atingido na cabeça por um pássaro, perdeu o controle do carro e bateu em alta velocidade

  • Reprodução/Blog Contos da F1

    Onofre Marimón - julho de 1954

    O argentino Onofre Marimón ficou conhecido na História como o primeiro piloto a ser vítima fatal em um final de semana de corrida de Fórmula 1, sem contar as 500 milhas de Indianápolis. Durante os treinos classificatórios do GP da Alemanha, sua Maserati saiu da pista e caiu de um barranco

Listas