Topo

Dicas para levar seu puxadinho na estrada com segurança e sem dor de cabeça

do UOL

Fernando Miragaya

Colaboração para o UOL

05/07/2019 07h00

Tem gente que quer se divertir a valer nas férias ou simplesmente é apegado. Então, precisa recorrer ao reboque para transportar aquela moto aquática ou mesmo acomodar bagagem que não coube no porta-malas. Mas usar a também conhecida carretinha exige regras. Ela nada mais é que uma extensão do carro e é necessário seguir normas para preservar a estabilidade do veículo, a segurança e não ser multado.

  • Attila Husejnow/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

    Características do veículo

    A primeira coisa a se fazer é descobrir se o carro pode levar esse "veículo extra". No Manual do Proprietário há as informações sobre capacidade de tracionar o reboque e todos os procedimentos que devem ser feitos. "O veículo tem que ter capacidade de tração para deslocar aquela carga. Não dá para pegar um carro 1.0 e achar que pode puxar o reboque", alerta Alessandro Rubio, da Comissão Técnica de Segurança Veicular da SAE Brasil.

  • Engate

    Instalar engate fora dos padrões para evitar que amassem seu para-choque já é passível de multa. E achar que aquele pino bola estético vai ser suficiente para puxar a carretinha é um risco para o próprio veículo. A peça de engate deve estar fixada em uma parte estrutural do automóvel para que tenha força de tração sem danificar a carroceria.

    "O engate não pode estar fixado em chapas finas. Tem gente que coloca o acessório para evitar colisão de estacionamento e, na hora de tracionar o reboque, pode rasgar a chapa toda", ressalta o engenheiro da SAE.

    Há modelos, especialmente SUVs, que já saem de fábrica com o engate original. Muitas concessionárias e lojas especializadas também fazem o serviço correto em veículos que não tenham o equipamento.

  • Dentro da lei

    Como dito, o reboque é a extensão do carro e precisa seguir padrões. A carretinha deve estar devidamente licenciada, emplacada e com os documentos em dia como o automóvel que a puxa.

    O sistema de iluminação é importante e fica conectado ao do próprio automóvel rebocador: luzes de freio, setas e lanternas precisam funcionar corretamente. Além disso, o reboque tem de ter para-choques, para-lamas, faixas refletivas na traseira e nas laterais e iluminação da placa.

    Tanto o veículo como o engate não podem ter cantos vivos ou superfícies cortantes que provoquem ferimentos. A não conformidade de alguma dessas exigências constitui infração grave pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) com sete pontos na CNH.

    Motoristas categoria B podem conduzir veículos com peso bruto total (PBT) de até 3,5 toneladas. Mas se lembre que isso é a soma dos pesos do carro, do reboque e da carga.

  • Sem excessos

    Não adianta colocar o reboque certinho e enchê-lo de tralhas. Verifique no manual do equipamento o limite de carga da carretinha. Não esqueça também que seu automóvel tem uma capacidade de tracionamento de reboque que consta no Manual do Proprietário e que não pode ser excedida, já que compromete o comportamento dinâmico do carro na estrada, desde o poder de frenagem até a estabilidade em curvas - e também constitui infração de trânsito.

    Além disso, excesso de peso no reboque pode forçar o engate e a própria carroceria. Há risco até de inclinação excessiva do automóvel - como se, visto de perfil, os dois veículos formassem um "V".

  • Arrumação

    Na hora de colocar a carga no reboque é preciso respeitar os limites do próprio veículo de transporte. Nada pode ficar para fora da carretinha e tudo deve estar bem fixado e amarrado com cordas para que não se desloquem durante a viagem ou mesmo se soltem.

    A distribuição de pesos também é importante. Motocicletas e motos aquáticas, por exemplo, devem estar mais ao centro, assim como os volumes mais pesados e de maior porte. "É importante que tudo esteja bem distribuído para que se mantenha a maior estabilidade do veículo", diz Rubio.

  • On the road

    Na direção, é preciso lembrar que o conjunto do automóvel está "maior". Diminua a velocidade e mantenha uma distância ainda mais segura do veículo à frente, já que será necessário mais espaço para frear em caso de uma parada de emergência.

    Ao mesmo tempo, procure ficar sempre na faixa da direita e lembre-se que é preciso mais margem de segurança para ultrapassagens permitidas. "Por estar carregando um reboque adicional, o carro não vai conseguir fazer desvios bruscos. É preciso entender que, quando se coloca essa carga atrás do carro, todas as respostas ficam mais lentas", explica o engenheiro.

  • Profissional

    Há empresas especializadas em instalação de reboques e engates. Procure oficinas credenciadas e de confiança, peça orientação aos profissionais e tire dúvidas.

    Alguns veículos importados também têm o chamado controle de reboque, que atua com o controle de estabilidade ajuda a estabilizar a carroceria do automóvel compensando as oscilações provocadas pela carretinha.

Mais Listas