PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA mantém restrições a viagens internacionais por variante Delta do coronavírus

26/07/2021 17h21

Washington, 26 Jul 2021 (AFP) - Os Estados Unidos vão manter as restrições em vigor para as viagens internacionais, apesar dos pedidos de reciprocidade da União Europeia, quando os casos da variante Delta da covid-19 aumentam no país e no resto do mundo.

"Vamos manter as restrições existentes", disse nesta segunda-feira (26) a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki.

"A variante Delta, mais contagiosa, está se espalhando tanto aqui como no exterior", declarou.

Ela acrescentou que é provável que a tendência de aumento de casos continue "nas próximas semanas" e reiterou que isso afeta principalmente as pessoas não vacinadas.

Em suas últimas advertências, os Centros para o Controle e a Prevenção de Doenças (CDC) recomendaram evitar viagens a Espanha e Portugal, dois destinos populares dos turistas americanos, devido ao aumento de casos de covid.

Os Estados Unidos emitiram a mesma recomendação para o Chipre uma semana depois de ter feito o mesmo com as viagens à Grã-Bretanha, principal destino internacional dos americanos depois do México e do Canadá em 2019.

Quando foi questionada sobre como as restrições de viagens ajudariam, Psaki respondeu: "Sim, é a variante dominante nos Estados Unidos. Isso não significa que ter mais pessoas com a variante Delta seja o passo certo".

Os Estados Unidos restringiram as viagens da União Europeia, Reino Unido, China e Irã há mais de um ano devido à pandemia de covid-19 e depois incluíram outros países, como Brasil e Índia.

Em junho, a União Europeia se abriu para os viajantes dos Estados Unidos, exigindo geralmente um certificado de vacinação ou testes negativos do coronavírus, sob a pressão de nações dependentes do turismo como Grécia, Espanha e Itália, que temiam outro ano problemático.

Os líderes da UE pediram aos Estados Unidos que mostrem reciprocidade. Em 15 de julho, o presidente americano Joe Biden disse que teria uma resposta sobre essa questão "nos próximos dias", após os apelos da chanceler alemã Angela Merkel.

Os Estados Unidos fazem algumas exceções generalizadas, como para estudantes, acadêmicos, jornalistas e empresários, mas os líderes europeus reclamam que a regulamentação incomoda as pessoas comuns e dificulta o comércio transatlântico.

sct/sst/aa/mvv

Notícias