PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Forças israelenses matam palestina por suposta tentativa de ataque na Cisjordânia

Guardas israelenses patrulham perto de Kalandia, entre Jerusalém e a Cisjordânia ocupada, em 2019 - Mohamad Torokman/Reuters
Guardas israelenses patrulham perto de Kalandia, entre Jerusalém e a Cisjordânia ocupada, em 2019 Imagem: Mohamad Torokman/Reuters

Da AFP, nos Territórios palestinos

16/06/2021 12h51Atualizada em 16/06/2021 14h18

Soldados israelenses mataram, nesta quarta-feira (16) na Cisjordânia, uma mulher que tentou atacar vários militares — informaram o Exército e fontes oficiais palestinas. Um familiar da mulher negou que ela tenha cometido o ataque e explicou que ela entrou na estrada "por engano".

"Uma agressora chegou de carro e tentou atropelar vários soldados (...) Saiu do veículo com uma faca (...) Os soldados responderam atirando", disseram fontes militares.

O Ministério palestino da Saúde confirmou a morte desta mulher, perto de Ramallah, na Cisjordânia, território palestino ocupado por Israel.

A agência oficial de notícias oficial palestina Wafa a identificou como Mai Khaled Yussef Afana, de 29 anos, natural de Abu Dis, cidade palestina perto de Jerusalém.

Seu tio, Hani Afana, disse à AFP que a jovem "pegou essa estrada por engano e não tentou cometer um ataque, como afirma a ocupação (Israel)".

"Mai havia se formado recentemente em uma universidade jordaniana, tinha uma filha de quatro anos e não tinha problemas", acrescentou, afirmando que quer saber a verdade sobre os fatos.

Sua morte ocorre em um momento de forte tensão entre israelenses e palestinos.

Nesta quarta-feira, o Exército israelense atacou posições do movimento islamita palestino Hamas, que governa Gaza, após o lançamento de balões em chamas da Faixa para Israel. Foi o primeiro grande incidente desde o cessar-fogo acordado em maio passado.

Esta nova escalada acontece após uma manifestação de israelenses nacionalistas e da extrema-direita. O ato reuniu mais de mil pessoas na terça-feira (15), em Jerusalém Oriental, a parte palestina da cidade ocupada por Israel em 1967.

No sábado (12), um policial israelense matou uma palestina, em um posto de controle na Cisjordânia. E, na véspera, sexta-feira, um adolescente palestino morreu, ao ser baleado por militares israelenses durante um protesto em Nablus, ao norte da Cisjordânia.

Notícias