PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Paciente morre ao ser levado à força para clínica de recuperação

Paulo César Basso morreu após ser levado à força para clínica de reabilitação  - Reprodução/Facebook
Paulo César Basso morreu após ser levado à força para clínica de reabilitação Imagem: Reprodução/Facebook
do UOL

Naian Lopes

Colaboração para o UOL, em Pereira Barreto (SP)

09/05/2021 16h45Atualizada em 10/05/2021 11h26

Um paciente morreu ao ser levado à força para uma clínica de recuperação para dependentes químicos em Votuporanga, no interior de São Paulo, na sexta-feira (7). Três funcionários foram presos e serão investigados por homicídio.

Segundo a investigação, o trio usou força excessiva, tendo aplicado um "mata-leão" em Paulo César Basso, de 30 anos, durante o procedimento de extração, ação em que os profissionais buscam um dependente para tratamento a pedido de algum parente.

Os funcionários se deslocaram até a cidade vizinha de Guapiaçu (SP), onde vivia o paciente. Eles disseram em depoimento que Basso estava alterado e não concordou em ser levado para a clínica. Por isso, além do mata-leão, também amarram os pés e as mãos do paciente.

Desacordada, a vítima teria sido colocada no carro e levada para Votuporanga. A polícia aponta que a equipe médica da clínica só notou que o homem não estava bem quando ele chegou ao local. Depois, Basso foi levado para a Santa Casa da cidade, mas já chegou morto. Por causa disso, acredita-se que houve excesso na abordagem.

O UOL conversou com uma familiar da vítima, que declarou que todos querem esclarecer o episódio. A mulher, que pediu para não ter o nome revelado, também pediu justiça.

Ele não era violento. O Paulo ficava isolado quando usava [drogas]. Inclusive, ele ajudava muito todo mundo e fazia tudo o que estava ao alcance dele"

Basso já foi internado anteriormente. Mas, ao contrário desta, nas outras ocasiões ele foi por conta própria após intermediação do pai.

Ele [pai da vítima] ia até a clínica ver como tudo funcionava e depois falava com o Paulo, que chegou a ser internado por vontade própria, se recuperando e trabalhando em uma clínica como segurança. Mas teve uma recaída"

Funcionários dizem que socorreram

Os funcionários dão outra versão sobre o fato. Eles afirmaram, em depoimento à Polícia Civil, que a clínica foi contratada pela família, e, ao chegarem, viram o paciente alterado, o que os obrigou a recorrer ao uso da força. O trio também disse que Basso foi medicado por um familiar.

"Foi feito o exame necroscópico e ainda não existe o laudo", afirma ao UOL Murilo Ferreira, advogado da clínica e dos três funcionários.

Os suspeitos relataram que a vítima foi colocada no carro desacordada e, no meio do caminho, perceberam que passou mal. Por isso, afirma que o levaram direto para a Santa Casa Municipal, o que vai na contramão do que aponta a investigação da polícia.

A defesa da clínica e do trio aguarda a conclusão das investigações, acrescentando que o estabelecimento de reabilitação é responsável.

São cinco clínicas desde 1988, e cada uma tem 70 pessoas. Infelizmente houve essa fatalidade. A grande questão é que fica parecendo que mandaram matar ele. A própria família contratou a clínica e acabou acontecendo"

Os três homens que foram presos aguardam decisão da Justiça para saber se vão responder ao processo em liberdade.

Notícias