PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Autoridades negam redução no orçamento do metrô da Cidade do México

07/05/2021 02h52

Cidade de México, 6 mai (EFE).- O governo da Cidade do México negou nesta quinta-feira, após o trágico acidente em uma linha do metrô, que uma redução do orçamento de 2020 tenha afetado a manutenção da estrutura, alegando que se deveu à diminuição do número de passageiros e ao gasto por usuário.

Em entrevista coletiva, a prefeita da capital, Claudia Sheinbaum, comentou que em 2020, devido à pandemia de covid-19, houve uma "ligeira redução" do orçamento do metrô relacionada à "redução de receitas próprias", mas garantiu que isso foi remediado com o subsídio "adicional" do governo.

"Se traduzirmos em orçamento por passageiro, significa que, pelo contrário, houve um aumento", explicou.

Vários jornais informaram nos últimos dias que o orçamento do Sistema de Transporte Coletivo de Metrô (STCM) foi reduzido em 2020, meses antes do acidente na linha 12 ocorrido na segunda-feira, que deixou 25 mortos e quase uma centena de feridos.

Luz Elena González, secretária de Administração e Finanças da Cidade do México, destacou que o orçamento exercido em 2020 foi de 14,290 bilhões de pesos (cerca de US$ 705,7 milhões).

Este valor é inferior ao orçamento original, programado em 15,652 bilhões de pesos (cerca de US$ 772 milhões). Ela atribuiu a redução ao fato de o número de passageiros ter diminuído em 40% como resultado da pandemia. Isto levou a uma diminuição do orçamento, mas a manutenção do metrô foi "totalmente cuidada".

Em 2020, o número de passageiros foi reduzido de 1,655 milhões por ano para 935 milhões de passageiros. A afluência de passageiros caiu de 1.655 bilhão de usuários ao ano para 935 milhões.

"Se traduzirmos isso nas despesas que temos de fazer para a manutenção do metrô, nos anos anteriores gastamos entre 4 e 4,4 pesos (cerca de US$ 0,20) por viagem transportada", enquanto em 2020 aumentou para 7,1 pesos (cerca de US$ 0,35) por viagem transportada, observou. Esta é a "forma correcta" de olhar, concluiu Luz Elena González.

Notícias