PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Holanda proibe voos vindos da América do Sul e Reino Unido até 1º de abril

04/03/2021 15h30

Haia, 4 mar (EFE).- O governo da Holanda estendeu a proibição de voos entre Holanda e Reino Unido, África do Sul e grande parte da América do Sul, incluindo o Brasil, até 1º de abril, na tentativa de evitar a disseminação de novas mutações do coronavírus que circulam nessas regiões.

Em carta enviada ao Parlamento, o governo explicou que estende a proibição do tráfego aéreo com o Reino Unido, África do Sul, República Dominicana, Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela por mais quatro semanas.

A medida é tomada por recomendação da equipe de gestão da pandemia (OMT), que há um ano assessora o governo em exercício a tomar as medidas cabíveis e impedir a propagação de infecções, no caso, a possível importação de variantes do coronavírus mais contagiosas do que os que já circulam na União Europeia (UE).

O governo também prorrogou até 15 de março o confinamento da Holanda e o toque de recolher diário entre às 21h (hora local) até 4h30 (hora local), embora desde ontem permitisse que cabeleireiros e outras profissões de contato, tais como centros de massagem ou tatuagem, voltassem a receber clientes com medidas de higiene.

As lojas, que tinham fechado em meados de dezembro para evitar a propagação do vírus devido às compras de Natal, também reabriram parcialmente ontem, podendo receber clientes apenas com marcação prévia e com limite de capacidade por andar, o que fez com que alguns estabelecimentos optassem por não reabrir porque o número de pessoas a receber não compensou as despesas.

Além disso, a pressão sobre o governo também aumenta para permitir a reabertura dos terraços com a proximidade da primavera (no hemisfério norte), o que fez com que vários bares e restaurantes se rebelassem na última terça-feira, abrindo seus espaços ao público contra as restrições, embora a maioria deles teve que fechar novamente devido a ameaças de multas.

Notícias