PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Rússia anuncia desenvolvimento da 'primeira' vacina eficaz contra COVID-19

11/08/2020 12h09

Moscou, 11 Ago 2020 (AFP) - A Rússia anunciou nesta terça-feira (11) que é o primeiro país a aprovar uma vacina contra o novo coronavírus: o presidente Vladimir Putin afirmou inclusive que uma de suas filhas foi inoculada.

Ao batizar a vacina como "Sputnik V" (em homenagem ao primeiro satélite lançado ao espaço pela União Soviética, com o acréscimo do "v" de vacina), Moscou afirmou que o produto proporciona uma imunidade segura, ao mesmo tempo que denunciou as tentativas ocidentais de questionar as pesquisas russas.

Os cientistas ocidentais expressaram grande preocupação com a velocidade do desenvolvimento da vacina e o temor de que os pesquisadores estejam sob pressão.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) destacou que para sua aprovação de uma vacina 'candidata' contra a COVID-19 é necessária uma revisão rigorosa dos dados de segurança.

"Estamos em contato estreito com os russos e as discussões continuam. A pré-qualificação de qualquer vacina passa por procedimentos rigorosos", afirmou Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS, durante uma videoconferência de imprensa em Genebra.

Putin fez o anúncio durante uma videoconferência com ministros do governo.

"Esta manhã, pela primeira vez no mundo, foi registrada uma vacina contra o novo coronavírus".

"Sei que é bastante eficaz, que dá uma imunidade duradoura", completou.

Putin afirmou, inclusive, que uma de suas filhas foi inoculada com a vacina, desenvolvida pelo Instituto de Pesquisas Gamaleya, em coordenação com o ministério da Defesa e outros organismos governamentais.

"Uma das minhas filhas tomou a vacina. Neste sentido, ela foi parte do experimento", destacou o chefe de Estado russo, antes de acrescentar que após a segunda dose ela teve teve um pouco de febre e "nada mais".

Kirill Dmitriyev, diretor do Fundo de Investimento Direto da Rússia (RDIF), que financia e atua em aspectos logísticos, afirmou que os testes de fase 3 com um grupo importante de pessoas começarão na quarta-feira.

Ele disse que o país espera iniciar a produção industrial em setembro e que "mais de um bilhão de doses" foram encomendadas por 20 países. Entre as nações interessadas o executivo citou Brasil, Índia e Arábia Saudita.

O diretor do fundo soberano afirmou que a Rússia está preparada para iniciar a produção de 500 milhões de doses anuais em cinco países a partir de setembro.

Dmitriyev também denunciou "ataques da imprensa cuidadosamente coordenados e orquestrados" para "desacreditar" a vacina da Rússia.

De acordo com o ministério da Saúde, a vacina em duas doses "permitirá uma imunidade longa", que pode ser de dois anos.

- "De vetor viral" -A vacina desenvolvida na Rússia é a denominada de vetor viral, o que significa que outro vírus é utilizado para transportar o DNA e alcançar a resposta imune necessária.

A Rússia intensificou os esforços para desenvolver rapidamente uma vacina contra a COVID-19. No início do mês anunciou que pretendia começar a produção em larga escala dentro de algumas semanas, com "milhões" de doses por mês no próximo ano.

Na semana passada, a OMS pediu à Rússia que respeitasse as normas estabelecidas e seguisse "todas as etapas" necessárias para desenvolver uma vacina segura.

Os especialistas estão preocupados com a falta de informações suficientes sobre a pesquisa russa.

Danny Altmann, professor de Imunologia no Imperial College de Londres, destacou que "os danos colaterais de qualquer vacina que não seja segura e eficaz podem ampliar os problemas atuais de maneira irreparável".

apo-alf-mm/am/bp/age/mb/fp

CanSino Biologics Inc.

Notícias