PUBLICIDADE
Topo

Corte eleitoral da Bolívia inabilita candidatura de Evo Morales ao Senado

Edgard Garrido/Reuters
Imagem: Edgard Garrido/Reuters

21/02/2020 00h29

O Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) da Bolívia resolveu nesta quinta-feira (20) inabilitar o ex-presidente Evo Morales a se candidatar ao Senado, alegando que não cumpre o requisito de "residência permanente" na jurisdição do país que quer representar.

As candidaturas ao Congresso de Morales, daquele que foi seu chanceler, Diego Pary, e do líder de direita Mario Cossío, foram inabilitadas "por não cumprir com o requisito da residência permanente" nas regiões da Bolívia pelas que se candidataram, disse o titular do TSE, Salvador Romero, em coletiva de imprensa.

Depois de renunciar à presidência, cargo que exerceu por 14 anos, Morales pretendia se candidatar por Cochabamba (centro), região que abriga o território produtor de folha de coca de Chapare, seu reduto eleitoral.

Depois que o tribunal divulgou sua decisão, Morales, que vive exilado na Argentina, escreveu no Twitter: "A decisão do Supremo Tribunal Eleitoral é um golpe para a democracia. Os membros da @TSEBolivia sabem que eu atendo aos requisitos para ser candidato. O objetivo final é a proscrição do MAS (Movimento ao Socialismo).

No entanto, Romero acrescentou à imprensa que o tribunal eleitoral "rejeitou, por falta de fundamento, os processos de desqualificação contra Luis Arce", candidato à presidência pelo partido MAS.

Arce lidera a intenção de votos com 31,6%, de acordo com uma pesquisa de opinião recente do grupo Ciesmori, seguido pelo ex-presidente centrista Carlos Mesa (17,1%), enquanto a atual presidente interina Jeanine Áñez (direita) está em terceiro, com 16,5%.

Após se renunciar em meio a protestos sociais, Morales saiu do país em novembro e foi para o México. Em seguida, mudou-se para Buenos Aires, capital argentina.

Notícias