Topo

Autoridades investigam 'várias hipóteses' para vazamento de petróleo no Nordeste

Autoridades afirmam que o vazamento "muito provavelmente" tem origem venezuelana; PDVSA nega - Adema
Autoridades afirmam que o vazamento "muito provavelmente" tem origem venezuelana; PDVSA nega Imagem: Adema

Da AFP, no Rio de Janeiro

15/10/2019 20h13

O que provocou o enorme vazamento de resíduos de petróleo que contaminou mais de 150 praias do nordeste permanece um mistério. A Marinha, que coordena as investigações, explica que este incidente é "muito complexo e sem precedentes" e trabalha com "várias hipóteses" sobre suas causas.

Autoridades afirmam que o vazamento, detectado no começo do mês e que contaminou mais de 2.000 km da costa, "muito provavelmente" tem origem venezuelana, mas a estatal Petróleos da Venezuela (PDVSA) nega as acusações.

Nesta terça-feira, uma especialista que acompanha as investigações confirmou informes publicados na imprensa segundo os quais os resíduos podem ter vazado de um "navio fantasma" que carregava petróleo venezuelano e tentava evitar sanções dos Estados Unidos.

"Ontem, tivemos uma reunião com [representantes de] vários órgãos, como Ibama, Marinha, Ministério Público Federal, pesquisadores e prefeitos, e na verdade pouquíssima coisa foi esclarecida, mas houve essa suposição de que poderia ter sido um navio fantasma", disse à AFP Maria Christina Araújo, professora de Oceanografia e Limnologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um dos estados afetados pelo vazamento.

"Poderia ser um navio fantasma, que navega de forma ilegal, seguindo rotas pouco conhecidas, e poderia estar transportando petróleo cru da Venezuela por conta dessas sanções", acrescentou.

A Venezuela, que chegou a ser um país rico em virtude da exploração de suas reservas de petróleo, as maiores do mundo, atravessa sua pior crise econômica e um enfrentamento político entre o presidente Nicolás Maduro e o líder opositor e presidente autoproclamado Juan Guaidó.

A situação da Venezuela piorou após as sucessivas sanções dos Estados Unidos contra o governo Maduro, incluindo medidas para restringir a venda de petróleo venezuelano.

O ministro do Meio Ambiente brasileiro, Ricardo Salles, disse a uma comissão do Congresso que o petróleo vazado "muito provavelmente vem da Venezuela", citando um relatório da Petrobras, que ajuda nas operações de limpeza das mais de 150 praias afetadas em nove estados do nordeste.

A Petrobras assegura que os resíduos encontrados não são produzidos nem vendidos pela empresa.

Até agora, foram recolhidas 200 toneladas de resíduos de petróleo nas áreas atingidas, que castigam uma região já empobrecida que abriga as praias mais exuberantes do país e vive da exploração da pesca e do turismo.

A oceanógrafa da UFRN sustentou que aparentemente o vazamento foi acidental. "Não acredito numa teoria proposital", disse à AFP.

"Na verdade, ainda existem muitas dúvidas", acrescentou a pesquisadora, destacando que nunca houve no país um desastre dessa magnitude, que afeta uma área tão extensa.

Segundo o Ibama, em virtude do vazamento foram encontradas 13 tartarugas mortas, enquanto a ONG Verdeluz reportou 21 quelônios mortos só no estado do Ceará, um dos atingidos.

Por manchas de óleo, viagens podem ser canceladas de graça

Band Notí­cias

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Notícias