Topo

Para professor, buscar óleo com satélite é como 'míope querer ler longe'

Mancha de óleo em Sergipe - Brenda Dantas/Divulgação
Mancha de óleo em Sergipe Imagem: Brenda Dantas/Divulgação
do UOL

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

14/10/2019 20h17

Resumo da notícia

  • Há mais de um mês, manchas de óleo chegam ao litoral do Nordeste
  • Uma linha de investigação liga óleo encontrado aqui ao venezuelano
  • Universidade também suspeita de barris da Shell
  • EUA usaram satélite para tentar rastrear material
  • Mas até agora, não se sabe de onde vem o vazamento

Doutor em sensoriamento remoto e coordenador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélite na Ufal (Universidade Federal de Alagoas), o professor Humberto Barbosa avalia que a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA não teria como detectar a origem do petróleo que atinge o Nordeste há um mês.

"É como uma pessoa com quatro graus de miopia tentando ler letras pequenas a oito metros de distância", comparou o pesquisador.

Hoje, o blogueiro do UOL Diogo Schelp revelou que a agência norte-americana usou tecnologia espacial para tentar encontrar de onde vem o óleo vazado, mas não teve sucesso.

Além da distância, Barbosa afirma que a consistência do óleo cru que chega ao litoral nordestino é inadequada à captura pelos satélites.

"Se fosse mais líquido ou pastoso, o petróleo [que chega às praias] teria uma textura muito mais homogênea e poderia ser detectado pelo satélite. Mas nesse formato achado, o satélite não enxerga", diz.

O material retirado das praias nas últimas semanas tem aspecto sólido e pegajoso, semelhante ao asfalto antes de ser aplicado nas ruas. Ele chega à costa em pequenos blocos, e ainda não se sabe de onde tem vindo.

Para Barbosa, os satélites poderiam ser úteis se comparassem as imagens atuais com as obtidas dois meses antes do aparecimento das manchas.

"Poderíamos tentar ver se nesse período encontramos alguma mudança no padrão que ajude. Se a gente tivesse a data certa, ou onde foi a origem do fenômeno, seria mais simples", afirma.

Mas nenhum desses dados ainda é conhecido.

Barbosa também lembra que os satélites podem ter esbarrado em problemas naturais como as nuvens.

"Há toda uma complexidade. O que deve estar acontecendo hoje é que esse petróleo está espalhado em pequenos pedaços. Esses blocos que estão chegando nas praias do Nordeste, o satélite não consegue detectar", finaliza.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Notícias