Topo

Opinião: Proteção climática - insuficiente, atrasada e tímida

Martin Muno

21/09/2019 05h24

Enquanto cidadãos de todo o mundo se manifestam contra as mudanças climáticas, governo alemão acorda sobre pacote de medidas para proteção do clima que está muito aquém do necessário, opina Martin Nuno.O fato de que a nossa Terra é a base de toda a vida e que não temos um segundo planeta de reserva costumava ser um slogan da batalha política dos eco-ativistas. Hoje, é uma banalidade, repetida milhares de vezes por cientistas e políticos. Também óbvia – mas negada por ideólogos como Donald Trump, Jair Bolsonaro ou Alexander Gauland, um dos líderes do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) – é a teoria da mudança climática causada pelo homem, ou seja, um aumento global da temperatura como resultado do aumento das emissões de dióxido de carbono.

Na pior das hipóteses, a ameaça é de uma incontrolável reação em cadeia: a Terra se aqueceria de 4ºC a 5ºC, o nível do mar subiria drasticamente, e regiões inteiras se tornariam inabitáveis. Diante de tais cenários apocalípticos, a Conferência de Paris sobre as Mudanças Climáticas decidiu que se deveria fazer todo o humanamente possível para limitar o aumento da temperatura – de preferência a menos de 2ºC em relação à era pré-industrial.

Pois a bomba-relógio faz tique-taque: a fim de atingir o objetivo realmente desejável, de 1,5ºC, podemos liberar CO2 ao nível atual por mais oito anos. Depois, sequer um grama a mais.

O fato de que muitos tomaram consciência da importância destes números é evidenciado pelo número de participantes das várias manifestações do movimento Greve pelo Futuro (Fridays for Future) desta sexta-feira (20/09). "Quero que vocês entrem em pânico", diz Greta Thunberg, a mais famosa ativista do clima. "Quero que vocês ajam como se sua casa estivesse pegando fogo. Porque ela está."

E o que faz o governo federal alemão? Esse governo liderado por uma autoproclamada "chanceler federal do clima"? Que reconhece todas as previsões acima como cientificamente comprovadas? Para permanecer na metáfora de Thunberg: ele oferece um regador para apagar o incêndio.

Sim, muitas das medidas previstas vão na direção certa. Tornar o tráfego aéreo e o automóvel um pouco mais caro e, em contrapartida, o transporte ferroviário mais barato, promover a mobilidade elétrica, modernizar sistemas de aquecimento antigos e ineficientes. Mas no total o pacote climático é tímido e pequeno demais – e chega demasiadamente tarde.

Não existe um calendário para a redução das emissões de CO2. Transparece obviamente demais que só se quer fazer o que se pode, sem contrair novas dívidas nem perder eleitores, em vez de fazer o que é necessário, diante da ameaça global das alterações climáticas.

Pois continuam se mantendo os subsídios que são realmente prejudiciais ao clima: redução fiscal para o diesel, isenção total de imposto para o querosene de aviação e desconto das despesas para quem se desloca de carro entre a casa e o trabalho, o qual deve ser até aumentado. A expansão das energias renováveis está paralisada, e a última usina elétrica movida a carvão só será desligada daqui a quase 20 anos.

Quem demonstra como proteção do clima pode funcionar, para além das mesquinharias do governo alemão, é justamente o setor financeiro – cuja reputação, de resto, não é das melhores. Cerca de 500 gestores financeiros de todo o mundo pedem aos governos que, antes da próxima Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, tomem medidas que vão muito além das obrigações definidas pelo Acordo do Clima de Paris.

Por exemplo, as emissões de CO2 devem ser drasticamente mais caras, todos os subsídios aos combustíveis fósseis em todo o mundo devem ser suspensos, e os investimentos verdes, promovidos, num pacote totalizando 35 bilhões de dólares.

É claro que os investidores não estão agindo de forma altruísta: por um lado, temem riscos consideráveis devido às alterações climáticas; mas, por outro, veem grandes oportunidades de investimentos no contexto da transição energética global. Seria de desejar que o governo federal alemão também tivesse tal amplitude de visão – pelo menos para além do próximo dia de eleição.

Mas quem aponta um dedo para os outros aponta três para si mesmo – e isso se aplica também ao autor deste artigo de opinião. É claro que os governos – e isto se aplica a todos, não apenas à Alemanha – devem usar sua força de estruturação para criar políticas que respeitem o clima. Mas também temos uma responsabilidade enquanto cidadãos e consumidores.

Tenho que ter um carro tamanho-família? Tenho que fazer viagens transcontinentais todo ano? Tenho que comer carne todos os dias? De quais meios disponho para tornar minha pegada de CO2 mais sustentável? A mudança climática global representa também um desafio para o nosso conforto. Para os nossos filhos e netos, contudo, ela pode ser uma questão de vida ou morte.

Para ler uma opinião contrária à deste artigo, siga este link.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter


Autor: Martin Muno

Mais Notícias