Topo

Da depressão ao sucesso absoluto: nove fatos sobre Adriana Esteves

Colaboração para o BOL

2018-12-15T07:00:00

15/12/2018 07h00

Você sabia que as críticas e comentários negativos a respeito das suas interpretações no início da carreira levaram Adriana Esteves a ter depressão? Hoje, a artista, que completa 49 anos neste sábado (15/12/2018), deu a volta por cima e tem seu nome como referência na dramaturgia no Brasil, tendo sido indicada, inclusive, ao Emmy Internacional como Melhor Atriz.

Leia também:

  • Reprodução/Instagram @adrianaestevessz

    Antes da atuação

    Filha de um médico pediatra e de uma professora e artista plástica, Adriana Esteves estudou balé e teatro. Aos 16 anos - depois de ter desistido de ser bailarina -, ela ingressou na carreira como modelo

  • Divulgação

    Formação

    Aos 17 anos, Adriana Esteves começou a cursar publicidade. Enquanto ainda estava no curso, fez figuração na novela "Vale Tudo", da Globo, e passou a apresentar um programa na Rede Bandeirantes chamado Evidências, em 1988. No mesmo período, ela participou de um piloto para o Domingão do Faustão, que não chegou a ir ao ar e, no ano seguinte, esteve no quadro Estrela Por Um Dia, também na atração comandada por Fausto Silva, que abriu de vez as portas da emissora para ela

  • Divulgação/Globo

    Carreira

    Em 1989, Adriana Esteves estreou como atriz em "Top Model". Em 1992, foi a vez de conquistar a primeira protagonista da carreira, na novela "Pedra Sobre Pedra", em que foi par romântico de Maurício Mattar (foto). A bela ainda marcou presença em "Renascer" e gravou algumas cenas como Babalu em "Quatro Por Quatro", mas acabou desistindo e sendo substituída por Letícia Spiller antes da estreia da trama

  • Reprodução/Globo

    Depressão

    O começo não foi fácil para Adriana Esteves. Após receber muitas críticas no início da carreira, ela ficou quase dois anos afastada da TV com depressão. Em entrevista concedida à revista Marie Claire, ela falou sobre o caso: "Eu havia me separado, comecei a fazer uma novela atrás da outra, com personagens grandes, ganhei exposição e tinha pouca maturidade. Fiquei perdida, não segurei a onda. E aí veio a depressão. Passei pela fase de não conseguir comer, de não sair da cama, de achar um sofrimento tomar banho, de engordar muito com o antidepressivo. A dor da depressão foi tão grande que parecia que eu ia morrer e tive a chance de não morrer. A sensação que ficou é de ter ressuscitado. Fiquei muito tempo sem falar sobre isso, hoje não me incomodo. Na época, quando sabia que uma pessoa tinha passado pela depressão, só queria falar desse assunto, queria saber como ela tinha se recuperado. Hoje, se for para ajudar, conto quantas vezes for necessário", assegurou a atriz. "Foram os anos mais difíceis da minha vida. Sempre fico com medo quando chega um convite. Mas aí me cerco de conhecimento: vou estudar, ler, pesquisar. Aos poucos, ganho coragem e me jogo de vez", complementou Adriana em entrevista para a revista Claudia em 2016

  • Mujica/Folha Imagem

    Volta por cima

    Apesar da depressão, Adriana não desistiu da carreira e voltou para a TV com a minissérie "Decadência" (1995), na Globo, e, posteriormente, fez a novela "Razão de Viver" (1996), no SBT. No ano seguinte, foi a vez de retornar à emissora carioca. Desde então, ela emendou trabalhos, como a Sandrinha, de "Torre de Babel" (1998) - um marco em sua carreira -, e outros papéis de sucesso em tramas como "O Cravo e a Rosa", "Coração de Estudante", "Toma Lá, Dá Cá", "Morde & Assopra", "Assédio", entre outras

  • Divulgação/TV Globo

    Dalva

    Um dos grandes papéis de destaque da carreira de Adriana Esteves foi como Dalva de Oliveira, na minissérie "Dalva e Herivelto: Uma Canção de Amor". Pelo trabalho, ela foi indicada ao Emmy Internacional na categoria Melhor Atriz. O feito se repetiu com uma indicação recebida pela sua performance em "Justiça"

  • AgNews

    Parou o Brasil

    "A profissão sempre foi uma grande paixão para mim e tenho muita admiração pelos atores. Eu tinha uma certa devoção pelos atores mais velhos. Hoje, aprendi que a gente tem que ficar de ouvidos atentos pra todos", disse a atriz ao site Memória Globo. Segundo ela, seu sonho era que um trabalho seu "parasse" o Brasil. "Eu peguei uma época na qual você abria a janela e não havia ninguém na rua, estava todo mundo vendo a novela das oito. Tomara que isso volte agora, com 'Avenida Brasil'", afirmou a atriz antes da ocasião da estreia, em 2012, sem saber que estava prestes a fazer uma personagem que marcaria a sua carreira e o país: Carminha

  • Felipe Panfili/AgNews

    Casamentos

    Adriana Esteves foi casada com o instrutor de Jiu-Jítsu Totila Jordan entre 1988 e 1990. Em 1994, subiu ao altar com Marco Ricca. Dez anos depois, já separada, ela engatou um romance com o atual marido Vladimir Brichta e, dois anos depois, os pombinhos oficializaram a união. "Entendi que o casamento precisa desse namoro, precisa se entrelaçar. Um dos presentes do casamento é ter uma pessoa com quem você gosta de fazer sexo e que gosta de fazer sexo com você. Ninguém vai ter uma noite de amor deliciosa se brigou no café da manhã, se não aplaudiu o trabalho do outro, se não protegeu numa situação familiar difícil. Eu não quero essa relação. A hora do entrelaçar é consequência do carinho e do respeito do dia inteiro", comentou a respeito de sua união com Brichta em entrevista para a Marie Claire

  • AgNews

    Lado materno

    Do casamento com Marco Ricca, nasceu o filho primogênito da atriz, Felipe. Da união com Vladimir Brichta, Adriana logo de cara ganhou a enteada Agnes - filha do ator com a cantora Gena, já falecida. Após algum tempo de relacionamento, a artista engravidou de Vicente (foto). "Minha família é tudo. Amo os meus sobrinhos como eu amo os meus filhos. Sou a mãe, a tia, a madrinha dominadora. Tenho várias afilhados e sou louca pelos meus afilhados. Mesmo gravando, não largo eles. Tenho muitos grupos de WhatsApp com eles. A gente não deixa de ser mãe porque eles cresceram. Vão mudando as situações. Não sou uma mãe controladora, e não acho que pego no pé, não, mas sou bem cuidadosa. A minha mãe reclama que sou dominadora [risos]. Ela reclama que eu sou dominadora com eles e com o meu pai [risos]. Quero saber se já chegaram em casa, essas coisas...", afirmou a atriz em entrevista ao jornal Extra. Segundo ela, "não tem chance nem tem vontade" de que mais herdeiros venham por aí

Mais Listas