Topo

Gentil recorda machismo de torcedores com gritos de 'gostosa' e 'piranha'

Fernanda Gentil participa do "Altas Horas", da TV Globo - Reprodução/TV Globo
Fernanda Gentil participa do "Altas Horas", da TV Globo Imagem: Reprodução/TV Globo
do UOL

Do UOL

Em São Paulo

22/09/2019 09h46

Prestes a estrear no entretenimento após dez anos atuando no esporte, a apresentadora Fernanda Gentil comentou ontem (21) no "Altas Horas", da TV Globo, os episódios de machismo sofridos na época em que atuava como repórter de campo. Ela vê uma melhora com as mulheres tendo mais voz e os casos mais expostos.

Ela diz não se recordar de ter sofrido com o machismo em redações esportivas ou em estúdio, mas foi alvo quando atuou como repórter de campo.

"Você cruza o campo para falar com o jogador e se o time está ganhando a torcida grita 'gostosa', se está perdendo é 'piranha'. De um segundo para o outro, tudo muda. Você sofre muito, está muito exposta ali", contou a jornalista.

"Na minha época acontecia muito isso, hoje acho que já diminuiu por todos esses episódios que a gente viu, em Copa do Mundo principalmente, e sou muito otimista, sempre vejo o copo meio cheio, acho que está diminuindo sim, acho que quem faz já está percebendo que é feio fazer e as pessoas que sofrem têm mais voz hoje em dia para falar o que está acontecendo", completou.

Gentil também comentou sobre a sua nova experiência com a troca do esporte pelo entretenimento. Ela ponderou que trabalhar com esporte era seu sonho e que tudo o que vier daqui pra frente será uma "aventura".

"Eu saí do esporte, mas ele não sai de mim nunca. Foram 10 anos realizando um sonho, eu quis muito que aquilo acontecesse. Eu costumo dizer que aquilo ali foi o sonho, o check, o sentimento de 'chegamos'. A partir dali, é me aventurar de novo, experimentar novos rumos. Mas o sonho, mesmo, foram aqueles 10 anos."

Mais Entretenimento