PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Covid-19: Moscou bate novo recorde de casos com variante Delta

19/06/2021 09h46

Moscou registrou neste sábado (19) um novo recorde de infecções pelo coronavírus. Segundo dados divulgados pelo governo, 9.120 contaminações foram registradas nas últimas 24 horas na capital russa, além de 76 mortes. Há duas semanas, o número de casos girava em torno de 3.000 por dia. 

Moscou registrou neste sábado (19) um novo recorde de infecções pelo coronavírus. Segundo dados divulgados pelo governo, 9.120 contaminações foram registradas nas últimas 24 horas na capital russa, além de 76 mortes. Há duas semanas, o número de casos girava em torno de 3.000 por dia. 

A retomada epidêmica é resultado da rápida propagação da variante Delta, que surgiu na Índia e é 60% mais contagiosa do que a Alpha, que teve origem no Reino Unido.

No total, o país registrou 17.906 novos casos e 466 mortes nas últimas 24 horas - o maior pico desde o dia 13 de março. A prefeita de Moscou, Anastassia Rakova, anunciou que, nas próximas duas semanas a cidade aumentará o número de leitos de 17.000 para 24.000 nos hospitais destinados aos pacientes com Covid-19. Epicentro da pandemia na Rússia, a capital concentra mais da metade dos casos do país.

Na sexta-feira (18), o prefeito de Moscou, Serguei Sobibanine, afirmou que cerca de 90% dos doentes foram contaminados pela variante Delta. Ele foi forçado a retomar medidas restritivas, mas de maneira limitada, para preservar a economia. Eventos que reúnem mais de 1000 pessoas foram cancelados, incluindo o fechamento da fan zone (área reservada para torcedores com shows e telões) do campeonato europeu, no complexo olímpico de Loujniki.

Novas restrições

O fechamento está previsto até o dia 29 de junho. Entram na lista outros estabelecimentos, como  parques públicos, parquinhos infantis e bares e restaurantes entre 23h e 6h da manhã. O prefeito também determinou a vacinação obrigatória para os empregados do setor de serviços.

Cerca de dois milhões de pessoas devem ser imunizadas até dia 15 de agosto. A desconfiança dos russos em relação às vacinas produzidas no país, a ausência de restrições há meses e o desrespeito às regras de distanciamento social e uso das máscaras contribuíram para a nova onda epidêmica.

Desde dezembro, apenas 19,4 milhões de russo receberam uma dose da vacina, o equivalente a 13% da população, segundo o site Gogov. A Rússia, que contabiliza 128.911 mortos pela Covid-19, segundo o governo, é um dos países com mais óbitos provocados pelo coronavírus. Outras estatísticas, entretanto, elevam para 270 mil o número de vítimas da pandemia.

Com informações da AFP

Notícias