PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Jovem de 14 anos é encontrada morta em SP; pastor é principal suspeito

Caso aconteceu em Pariquera-Açu, cidade com 19 mil habitantes; segundo Polícia Civil, pastor é considerado foragido  - Reprodução/Google Maps
Caso aconteceu em Pariquera-Açu, cidade com 19 mil habitantes; segundo Polícia Civil, pastor é considerado foragido Imagem: Reprodução/Google Maps
do UOL

Daniel César

Colaboração para o UOL, em Pereira Barreto (SP)

13/05/2021 18h17Atualizada em 13/05/2021 21h50

Um pastor é considerado o principal suspeito de ter assassinado uma garota de 14 anos em Pariquera-Açu, cidade no interior de São Paulo.

O corpo da adolescente, identificada como A.F.F, foi encontrado ontem à noite em um terreno baldio ao lado de uma casa alugada pelo religioso, que é considerado foragido.

Segundo o Boletim de Ocorrência, a menor estava na casa do pai quando foi para o portão por alguns instantes, desaparecendo sem deixar vestígios.

À polícia, o pai explicou que procurou a filha nos arredores da residência durante toda a noite. Sem sucesso nas buscas, ele decidiu ir à delegacia para dar queixa do desaparecimento.

Logo no início das investigações, a polícia ouviu uma testemunha que afirmou ter visto a menina com um rapaz em frente a uma casa nas proximidades de onde o pai mora. Ao chegar ao local, no entanto, uma equipe constatou que o imóvel estava vazio.

Continuando as diligências na região, os policiais encontraram o corpo da adolescente já sem vida. Ela apresentava lesões no pescoço e nos lábios.

Seguindo as investigações, a Polícia Civil descobriu que o homem visto com a vítima era um pastor da cidade, e que a casa em que os dois conversaram havia sido recentemente adquirida por ele, que planejava se mudar com a esposa e o filho, mas ainda estava vazia.

A partir dessa informação, os agentes tentaram localizar o religioso, mas ele já havia desaparecido e abandonado a família.

"Ele sumiu desde ontem à tarde, não foi mais visto, a família não sabe informar o paradeiro dele", detalhou o delegado responsável pelo caso, Fábio Maia.

O delegado contou ainda que o suspeito mora na pequena cidade paulista, de pouco mais de 19 mil habitantes, "há cerca de dois anos", e garante que "nunca tiveram problemas" com o religioso.

Maia também destacou que o pastor, identificado como A.S., tinha um trabalho paralelo ao religioso, em uma fábrica de materiais recicláveis, e entrou em contato com o patrão para comunicar que não iria mais ao trabalho.

"Ele entrou em contato com o patrão dele informando que não vai mais trabalhar e falou para o patrão que ele é acusado injustamente".

Sobre sua função religiosa, o delegado conta que o suspeito não era de nenhuma denominação conhecida e que ele próprio havia fundado uma igreja na cidade.

A polícia ainda não sabe se o suspeito praticou estupro e aguarda o resultado dos exames necroscópicos para seguir com a investigação.

Enquanto isso, o corpo da menor já foi liberado e o sepultamento aconteceu na tarde de hoje.

"Está muito difícil para a família. Ela era muito querida", declarou o pai da jovem, Luiz Antonio Rodrigues de Freitas.

Notícias