PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Trump é a estrela de encontro anual dos conservadores nos Estados Unidos

28/02/2021 11h56

O grande encontro anual de conservadores nos Estados Unidos segue neste domingo (28) com uma presença de peso entre os convidados: Donald Trump. Aparição muito esperada, este será o primeiro discurso do ex-presidente desde que deixou a Casa Branca. Sua popularidade permanece forte dentro do Partido Republicano. No sábado (27), seu aliado e ex-secretário de Estado elogiou o legado de Trump durante o evento, que acontece desde sexta-feira (26) em Orlando, na Flórida.

O grande encontro anual de conservadores nos Estados Unidos segue neste domingo (28) com uma presença de peso entre os convidados: Donald Trump. Aparição muito esperada, este será o primeiro discurso do ex-presidente desde que deixou a Casa Branca. Sua popularidade permanece forte dentro do Partido Republicano. No sábado (27), seu aliado e ex-secretário de Estado elogiou o legado de Trump durante o evento, que acontece desde sexta-feira (26) em Orlando, na Flórida.

Por Loubna Anaki, correspondente da RFI em Nova York

"Protegemos os trabalhadores americanos!" "America First, é disso que os Estados Unidos precisam!" Diante de uma multidão animada, Mike Pompeo fez um discurso ofensivo neste sábado, elogiando as decisões tomadas durante os quatro anos de Donald Trump na Casa Branca nos planos da economia, da imigração e em relação à China. Mike Pompeo também não se esquivou de atacar o atual presidente, Joe Biden.

Desde o início do Conservative Political Action Conference (CPAC), a conferência anual dos conservadores americanos, os representantes republicanos se alternam no palco: Lindsey Graham, Ted Cruz, Marco Rubio, a maioria deles próximos ao ex-presidente.

"Sua base é muito mais legível e muito mais forte do que se poderia esperar de fato", observa Tamara Boussac, doutora em história e civilização dos Estados Unidos, especialista em conservadores. "Nos últimos dias, ouvimos muitos relatos de eleitores republicanos trocando de partido, dizendo que não querem mais ser republicanos. Mas as autoridades eleitas locais continuam muito favoráveis ??a Donald Trump. E os partidos locais são realmente muito importantes, porque são estes que decidem os rumos do partido e que investem nos candidatos, em particular os das eleições de meio mandato. A questão do trumpismo continua muito presente. Não estamos em uma era pós-Trump, como não acreditaríamos mais no mês de janeiro."

2024 candidatura presidencial

O fato é que a verdadeira estrela do encontro continua sendo Donald Trump, que fará seu discurso neste domingo em sua primeira aparição pública desde que deixou a Casa Branca em 20 de janeiro. Uma oportunidade de voltar a estabelecer sua autoridade dentro do partido, muito dividido desde o fim de seu mandato e principalmente depois do ataque ao Capitólio. E os republicanos que ousaram criticar seu governo ou se opor a Trump - Mitch McConnell ou Mitt Romney -, claro, não foram convidados.

Donald Trump poderia anunciar os nomes daqueles que ele pretende apoiar nas eleições de meio mandato. Alguns se perguntam se ele também anunciará sua candidatura para a eleição presidencial de 2024. Mas para Tamara Boussac, "uma declaração de uma potencial candidatura parece bastante improvável, seria muito cedo. Pode-se esperar que ele tome uma posição contra os republicanos que o criticaram publicamente, por ser algo que ele faz regularmente. Principalmente contra Mitch McConnell, o líder dos republicanos no Senado. Sentimos que a festa não vai fazer o luto do trumpismo, e que, pelo contrário, deve continuar neste caminho."

Em seu primeiro discurso desde 20 de janeiro, Trump falará sobre o futuro do Partido Republicano e do movimento conservador, revelaram à AFP fontes de sua equipe. Ele também deverá mencionar temas como a imigração e "as políticas desastrosas" de seu sucessor, o democrata Joe Biden, preveem as fontes.

A popularidade do ex-presidente segue em alta. "Muita gente em Washington quer apagar os últimos quatro anos", declarou o senador Ted Cruz, durante um discurso acalorado no dia de abertura do evento. "Pois me deixem lhes dizer uma coisa: Donald Trump não irá desaparecer!", bradou, sem máscara, para um público em que poucos usavam a proteção.

"Não iremos retroceder aos anos de fracasso do establishment republicano", declarou o governador da Flórida, Ron DeSantis. "Mas se nos dividirmos, perderemos", advertiu o senador Lindsey Graham, evidenciando as diferenças entre os republicanos, demonstradas principalmente quando dez congressistas do partido apoiaram os democratas na condenação de Trump.

Divididos

Após quatro anos de mandato de Trump, os republicanos perderam o controle do Congresso e da Casa Branca. E é um ex-presidente marcado com a infame mancha de uma acusação (impeachment) por incitar a insurgência no ataque ao Capitólio que vai subir ao palco.

Seus aliados insistem desde sua saída da Casa Branca: se os republicanos seguirem o caminho de Donald Trump, unidos, terão a chance de assumir o Congresso em 2022. Mas "se discutirmos, perderemos", alertou Graham.

Ainda assim, as divisões estão lá, e às vezes são expostas de maneira evidente. Donald Trump deve falar no CPAC? "Sim", responde sem hesitação o líder da minoria republicana, Kevin McCarthy. Na contramão, Liz Cheney, porta-voz dos republicanos anti-Trump desde seu voto a favor do impeachment do bilionário de 74 anos, deixa escapar: "Não acho que ele deva desempenhar um papel no futuro de nosso partido, ou país".

Dez republicanos, de um total de 211 na Câmara, votaram com os democratas pelo "impeachment" de Donald Trump, acusado de ter encorajado seus partidários a invadir o Capitólio em 6 de janeiro. O ex-presidente foi finalmente absolvido durante seu julgamento no Senado em meados de fevereiro. Historicamente, sete republicanos votaram a favor de sua condenação.

Força eleitoral

Mesmo seus maiores críticos continuam cientes de sua força eleitoral. Como Mitt Romney: se o ex-presidente concorrer à reeleição em 2024, "estou bem convencido de que ele ganhará a indicação do partido", revelou o senador republicano ao DealBook DC Policy Project do New York Times, sem ser convidado para o CPAC.

O líder dos republicanos no Senado, Mitch McConnell, também declarou o bilionário "responsável" pelo ataque ao Congresso. Quanto ao ex-vice-presidente Mike Pence, este recusou o convite.

"Há uma desconexão entre o Partido Republicano em Washington e as bases, ainda leais a Trump", disse à AFP John Feehery, ex-comunicador de congressistas republicanos seniores, agora lobista. Outros republicanos poderiam concorrer em 2024, como os senadores Josh Hawley, Tom Cotton, o governador da Dakota do Sul, Kristi Noem, ou o ex-embaixador da ONU, Nikki Haley, "mas Trump tem o megafone mais poderoso e a mais ampla base de suporte", acrescentou ele.

A menos que saia da política, Donald Trump ainda dominará o partido em 2024, prevê John Pitney Jr, professor de política americana no Claremont McKenna College. "Os republicanos sabem que romper com Trump tem um custo político e muitos não estão preparados para pagar o preço."

Com informações da AFP.

Notícias