PUBLICIDADE
Topo

Com crítica a Doria, protocolo de reabertura de bares é assinado em SP

do UOL

Do UOL, em Brasília

04/07/2020 11h50Atualizada em 04/07/2020 17h00

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), assinou hoje (4) o protocolo de abertura de bares e restaurantes e comércios de beleza e estética, como salões de cabeleireiros e barbearias. A partir de segunda-feira (6), esses comércios poderão funcionar com horário regulado e capacidade reduzida. (veja as regras abaixo)

A portaria com as regras foi publicada em edição suplementar do Diário Oficial, hoje, e ampliou o horário de funcionamento de shoppings de quatro horas para até seis horas. As praças de alimentação também poderão funcionar, seguindo as orientações de segurança de bares e restaurantes.

O presidente da Câmara estadual, Eduardo Tuma (PSDB), pediu ao governador João Doria (PSDB) que reveja o horário de funcionamento de bares, permitido até as 17h, e estenda até o período da noite.

"Meu apelo que o governo do estado reveja, especificamente, essa questão do horário dos restaurantes. Não parece tão lógico que assim o seja. Existem restaurantes que só abrem no período noturno. Haja vista que a prefeitura, por intermédio da vigilância sanitária, previu e com estudos técnicos que a aglomeração é menor e o controle é maior se assim o for", disse Tuma.

Regras de horário e lotação

Com a medida assinada hoje, os bares, restaurantes e similares podem funcionar por seis horas diárias, com no máximo 40% da capacidade e uso obrigatório de máscaras, e devem fechar até as 17h.

A atualização anunciada pelo governo permite que os estabelecimentos que tenham ambientes arejados possam oferecer a opção de consumo no local.

Já os salões de beleza podem reabrir com ocupação máxima de 40% da capacidade e funcionamento de seis horas diárias.

Quarentena continua, diz prefeito

A consolidação dos dados mostra 55% de ocupação de leitos de UTI da rede municipal. A informação foi divulgada ontem pela prefeitura. Este é um dos critérios para medir a dimensão da pandemia.

O prefeito de São Paulo disse que, apesar da flexibilização, a quarentena não acabou. "Ainda não ganhamos essa guerra. Claro que a situação hoje é bem melhor do que estávamos semanas atrás", afirmou.

Ele lembrou que cidades do interior do estado, como Campinas, tiveram que retroceder para a fase vermelha, e que o objetivo é ter parceria com o setor privado para que a cidade avance no combate à doença de forma consciente.

"Estamos há praticamente duas semanas com índices da fase três, fase amarela, o que nos permite com tranquilidade poder reabrir bares, restaurantes, padarias e toda a área de estética e beleza".

Covas disse que a taxa de mortalidade em São Paulo é de 0,5%, o que, segundo ele, é menor do que diferentes capitais europeias.

Shoppings

O prefeito havia anunciado ontem que aumentaria o horário de funcionamento dos shoppings. Segundo a portaria, esses comércios poderão funcionar por até seis horas, com 40% da capacidade.

- Escritórios - 6 horas diárias em horário livre;
- Comércio de Rua - Horário fixo : 10h às 16h;
- Shopping - Horário fixo : 6h às 12h ou 16h às 22h.

As praças de alimentação dos shopping também poderão funcionar, acompanhando o horário dos shoppings e seguindo as regras de bares e restaurantes.

Já o atendimento ao público nas galerias comerciais ou centros de compras com área total de até 15 mil m² deverá seguir o horário estabelecido para o setor do comércio de rua.

Veja algumas regras para a reabertura:

Salões e barbearias

- Os estabelecimentos podem funcionar por seis horas diárias, com no máximo 40% da capacidade.

- É obrigatório o uso de máscaras e os estabelecimentos devem fechar às 17 horas.

- Barbearias e salões de beleza deverão lavar os cabelos e orelhas dos clientes antes de iniciar o corte de cabelos para minimizar a possibilidade de contaminação.

- A distância mínima entre estações de trabalho deve ser de 2 metros.

- O atendimento ao púbico deverá ser feito exclusivamente por meio de agendamento, evitando filas de espera

- Sempre que possível, o atendimento precisa ser feito em cabines individuais, por um profissional por vez e os clientes não poderão estar acompanhados por outras pessoas.

- Poderá também ser implementado um horário exclusivo de atendimento para clientes acima de 60 anos ou que são do grupo de risco.

- Os funcionários deverão utilizar touca, máscara reutilizável e óculos de proteção ou protetor facial, gorro, avental impermeável de mangas longas e luvas para tratamentos.

Nos bares e restaurantes

- As mesas não poderão ser ocupadas por mais de seis pessoas e devem ter 2 metros de distância entre elas.

- Os clientes só poderão consumir os alimentos dentro dos estabelecimentos se todos estiverem sentados, seguindo corretamente as recomendações de higiene.

- O decreto recomenda marcação no piso para filas, evitar aglomeração e disponibilização de álcool em gel.

- Funcionários devem checar a temperatura diariamente e os que apresentarem sintomas de gripe precisarão ser testados antes de voltar ao trabalho.

- As portas e janelas deverão estar preferivelmente abertas, privilegiando a ventilação natural e minimizando o manuseio de maçanetas e fechaduras. Nos lugares climatizados, garantir a manutenção dos aparelhos de ar condicionado, conforme recomendação da legislação vigente.

- Os cardápios deverão ser disponibilizados por meio de plataformas digitais (site do estabelecimento, menu digital via QR Code ou aplicativo) ou cardápios de grande porte e visibilidade dispostos nas paredes do estabelecimento, como lousas, quadros e luminosos.

Notícias