PUBLICIDADE
Topo

Portugal fechará todos os aeroportos durante 5 dias na Semana Santa

Imagem da imigração no aeroporto de Lisboa, em Portugal - Jeffrey Greenberg/Universal Images Group via Getty Images
Imagem da imigração no aeroporto de Lisboa, em Portugal Imagem: Jeffrey Greenberg/Universal Images Group via Getty Images

03/04/2020 05h17

Lisboa, 2 abr (EFE).- O governo de Portugal decidiu nesta quinta-feira fechar todos os aeroportos nacionais ao tráfego de passageiros durante cinco dias durante a Semana Santa, entre quinta-feira, 9 de abril, e segunda-feira, 13, para frear a pandemia da doença Covid-19.

O fechamento dos aeroportos foi aprovado pelo Conselho de Ministros e faz parte do novo pacote de medidas que vai endurecer as condições do estado de emergência, que será prolongado nesta noite pelo presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, até 17 de abril.

"É uma medida excepcional que visa impedir que haja circulação do exterior para Portugal ou de Portugal para o exterior", explicou o primeiro-ministro português, António Costa, em entrevista coletiva em Lisboa.

O premiê ressaltou que só serão permitidos voos humanitários, de carga, aviões do Estado, militares ou de repatriamento de cidadãos portugueses que estejam em outros países.

Portugal mantém o tráfego aéreo aberto com toda a União Europeia, exceto Espanha e Itália, com os países lusófonos e com outros quatro que têm grandes comunidades portuguesas (Estados Unidos, Canadá, Venezuela e África do Sul).

A partir de agora, também será imposta uma consulta médica aos cidadãos que chegam a Portugal de destinos considerados de risco, cuja lista será elaborada pelo governo com base nos critérios da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Costa explicou que a capacidade máxima dos voos também será limitada a um terço, medida que já foi aplicada ao resto do transporte e que procura garantir uma distância segura entre os passageiros para evitar o contágio.

Entre 9 e 13 de abril, todas as viagens fora do município de residência habitual serão proibidas, exceto aquelas para ir ao trabalho, a fim de evitar as viagens habituais na Páscoa.

"É essencial que a Semana Santa deste ano seja vivida de uma forma diferente, porque temos aqui a oportunidade de fazer um esforço final que é necessário para conter a expansão desta pandemia e acelerar a fase em que poderemos começar gradualmente a suspender as restrições", disse Costa.

As pessoas que deixarem o município de residência sem justificativa de trabalho incorrerão no crime de desobediência.

O governo também vai reforçar as medidas para evitar a aglomeração, e não serão permitidos grupos com mais de cinco pessoas.

Portugal se encontra em estado de emergência desde 19 de março, e esta medida será prolongada por pelo menos mais duas semanas. De acordo com os últimos dados oficiais, o país já registrou 207 mortes por Covid-19 e superou nesta quinta-feira a marca de 9 mil infectados.

Notícias