PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro divulga vídeo de apoiadora com crítica a governadores

Presidente Jair Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada - UESLEI MARCELINO
Presidente Jair Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada Imagem: UESLEI MARCELINO

De Lisandra Paraguassu

Em Brasília

02/04/2020 12h56

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) divulgou nas redes sociais um ataque de uma apoiadora às medidas de isolamento social adotadas por governadores, feito na manhã de hoje em frente ao Palácio do Alvorada, e respondeu à mulher que ela "falava por milhões."

A cena aconteceu na saída de Bolsonaro. A mulher, que se diz professora, pede a Bolsonaro que abra o comércio, "ponha os militares na rua" e diz que quer voltar a sua "vida normal".

"Abre esse comércio. E esses governadores querem o quê? Eles têm o dinheiro deles. A gente tem o senhor. Por que querem derrubar o senhor?", diz a mulher.

Depois de ouvir sério o depoimento, Bolsonaro responde: "Pode ter certeza de que a senhora fala por milhões de pessoas."

O presidente publicou o vídeo em sua página no Facebook, chamando o vídeo de "comovente depoimento", e pede que seus seguidores compartilhem.

Depois de fazer um pronunciamento na terça-feira (31) em que propôs um pacto com os demais Poderes e os governadores para enfrentar a epidemia de coronavírus, na quarta e ontem Bolsonaro inicia o dia com postagens com ataques aos governos estaduais.

Na quarta-feira, o presidente postou um vídeo falso que mostraria a Ceasa de Belo Horizonte vazia e um homem acusando os governadores de causarem desabastecimento. Pouco mais de duas horas depois de ter sido provado que o vídeo era falso, Bolsonaro o apagou das redes. À noite, pediu desculpas pela postagem.

Como mostrou a Reuters, isolado, o presidente foi convencido por ministros e por recados de outros Poderes a moderar o discurso no pronunciamento de terça-feira. No entanto, o presidente é contrário às medidas de isolamento social e entrou em disputa aberta com os governadores —especialmente João Doria (PSDB), de São Paulo, e Wilson Witzel (PSC), do Rio de Janeiro— contra as medidas restritivas tomadas nos Estados.

Na semana passada, em seu primeiro pronunciamento, Bolsonaro chamou a Covid-19 de "gripezinha" e pediu que as pessoas voltassem ao trabalho. O apelo do presidente foi extremamente criticado, mas animou seus apoiadores.

A espera pelo presidente em frente ao Alvorada, que havia sido reduzida a zero na maior parte dos dias, voltou a crescer, mesmo que não tenha atingido os níveis pré-epidemia. Nesta quinta, cerca de 15 pessoas estavam no local.

Notícias