Topo

"Quem estiver portando arma vai levar tiro", diz Bolsonaro sobre projeto

Bolsonaro fala sobre projeto de lei -
Bolsonaro fala sobre projeto de lei
do UOL

Do UOL, em São Paulo

21/11/2019 19h46

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou na noite de hoje que "quem estiver portando arma vai levar tiro" ao comentar projeto de lei que propõe isentar de punição oficiais e militares que cometerem excessos durante operações de garantia da lei e de ordem. O projeto é uma promessa de campanha de Bolsonaro.

"Não vai precisar o elemento atirar no policial ou em um integrante das Forças Armadas. Quem estiver portando uma arma de forma ostensiva, vai levar tiro. Porque essa bandidagem só entende uma linguagem, linguagem que seja uma resposta mais forte por parte da sociedade", defendeu o presidente, durante transmissão ao vivo por meio das redes sociais.

"Então se o elemento estiver restringindo a liberdade da vítima, o sniper pode executar o tiro sem qualquer problema. Ele vai para casa tranquilo porque cumpriu o seu dever", afirmou.

Bolsonaro alertou para resistência de partidos de oposição ao projeto e justificou a queda nos índices de violência para levar a proposta adiante.

"Está na cara que o pessoal, que não gosta das instituições fardadas, grande parte da esquerda vai fazer um trabalho muito forte contra esse projeto. Mas somos a maioria. E entendo que os índices de mortes violentas, com essa proposta aqui, vai cair ainda mais em nosso país", alegou.

Na transmissão, o presidente cita nominalmente armas branca e de fogo. (Assista ao vídeo abaixo)

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o projeto enviado pelo Executivo ao Congresso trata do excludente de ilicitude a militares em operações de garantia de lei e da ordem — como as que ocorreram no Rio, em Roraima e no Amazonas.

As regras, caso o projeto seja aprovado, irão atingir integrantes da Força Nacional de Segurança Pública, agentes da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, policiais civis, militares e bombeiros.

Notícias