Topo

Santos Cruz nunca falou que tinha bobagem, diz Bolsonaro sobre ex-ministro

REUTERS/Adriano Machado
Ex-ministro criticou governo Bolsonaro em entrevista à revista Época Imagem: REUTERS/Adriano Machado
do UOL

Wellington Ramalhoso

Do UOL, em São Paulo

2019-06-20T16:51:18

2019-06-22T14:20:15

20/06/2019 16h51Atualizada em 22/06/2019 14h20

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) rebateu o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, demitido da Secretaria de Governo há uma semana. Em entrevista à revista Época, que foi hoje às bancas, o ex-ministro declarou que o governo é um "show de besteiras" e lamentou a "fofocagem desgraçada" na gestão.

"O general Santos Cruz é página virada. Ele integrou o governo por seis meses e nunca falou que tinha bobagem lá", afirmou o presidente em entrevista depois de subir ao palco da Marcha para Jesus, em São Paulo, e discursar por cerca de cinco minutos.

Bolsonaro demitiu o general na última quinta-feira e, no dia seguinte, afirmou que a demissão foi "um constrangimento para os dois", mas classificou o fato como uma "separação amigável".

Porém, na entrevista à revista Época, o ex-ministro lamentou a falta de foco do governo. "Estou dizendo que tem de aproveitar essa oportunidade para tirar a fumaça da frente para o público enxergar as coisas boas, e não uma fofocagem desgraçada", afirmou.

Se você fizer uma análise das bobagens que se têm vivido, é um negócio impressionante. É um show de besteiras. Isso tira o foco daquilo que é importante. Tem muita besteira. Tem muita coisa importante que acaba não aparecendo porque todo dia tem uma bobagem ou outra para distrair a população, tirando a atenção das coisas importantes.
General Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo da Presidência, ao comentar o governo Bolsonaro

"Essas brigas pessoais, invenções de notícia, xingamentos contra o presidente da Câmara. Veja: o presidente da Câmara é uma pessoa importante, ele é que faz a pauta do que será votado no Brasil em termos de legislação", afirmou o ex-ministro, para quem "o Brasil não pode continuar discutindo esse nivelzinho de coisa".

Ministro desde janeiro, Santos Cruz se envolveu em crises com os filhos do presidente e foi atacado pelo escritor Olavo de Carvalho, guru de Bolsonaro. Olavo chegou a chamar o general de "bosta engomada" nas redes sociais.

Para o general, bater boca com Olavo seria discutir "bobagem em vez de colocar o foco sobre as coisas boas que cada ministério está fazendo". "Estamos com seis meses de governo, e quais são as principais conversas? As pessoas vêm me perguntar do filósofo, do Twitter do outro que xingou o outro? Espera aí, né?", afirmou.

O general foi demitido no dia 13 de junho. Questionado se Carlos Bolsonaro estaria envolvido em sua demissão, Santos Cruz disse não ter "nem ideia". "E prefiro não falar nada porque eu não vou falar do filho do presidente. [...] A dimensão dos problemas do Brasil é muito maior", disse.

Sobre a longa amizade com Bolsonaro, Santos Cruz afirma que ela não será mais a mesma. "Não tem nem chance de cultivar essa amizade", disse. "Ele está no governo como presidente da República. Não tem nem oportunidade de que isso seja cultivado porque a pessoa está em outras atribuições que tomam muito a vida da pessoa. Deixa governar. Tomara que dê tudo certo."

Bolsonaro condiciona reeleição a reforma política

Também na entrevista, o presidente levantou a possibilidade de tentar a reeleição, caso não seja feita uma reforma política em seu mandato. "Se tiver uma boa reforma política, posso jogar fora a possibilidade de reeleição. Se não tiver uma boa reforma política e o povo quiser, estamos aí para continuar mais quatro anos", disse.

Antes da participação na Marcha para Jesus, Bolsonaro já havia falado sobre uma chance de disputar uma nova eleição, mas sem especificar se seria para a Presidência. Ao visitar a casa onde passou parte da infância, em Eldorado (interior de São Paulo), o presidente afirmou: "Meu muito obrigado a quem votou e a quem não votou em mim também. Lá na frente todos votarão, tenho certeza disso".

Durante a campanha eleitoral no ano passado, Bolsonaro prometeu acabar com a reeleição e anunciou que não seria candidato em 2022.

Além da reforma política, que ele não detalhou qual seria seu projeto, o presidente ainda citou a reforma tributária como uma de suas metas, além da reforma da Previdência. "Ninguém quer investir num país que ano a ano tem déficit", declarou, sem especificar novamente detalhes do projeto.

Presidente na Marcha

Bolsonaro foi o primeiro presidente a comparecer na Marcha para Jesus, que completa 27 anos. No evento, ele foi ergueu os braços dos bispos Estevam e Sonia Hernandes, ambos da igreja Renascer em Cristo, e destacou que o eleitorado evangélico foi decisivo para sua vitória nas eleições do ano passado.

"Vocês foram decisivos para mudar o destino dessa pátria maravilhosa chamada Brasil", disse Bolsonaro no discurso, enquanto parte da plateia gritava "mito" para o presidente. Ele cumpriu a promessa feita no mesmo evento no ano passado, quando prometeu voltar como presidente da República.

Mais Notícias