PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Comprova reúne 42 veículos de imprensa contra desinformação nas eleições

SOPA Images/LightRocket via Gett
Imagem: SOPA Images/LightRocket via Gett

Do UOL, em São Paulo

24/05/2022 09h00

O Projeto Comprova, coalizão de veículos de comunicação formada em 2018 para investigar conteúdos suspeitos sobre as eleições presidenciais, anunciou hoje o ingresso de quatro novas organizações. Liderado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), o Comprova agora é formado por 42 veículos de comunicação, entre eles o UOL. Ingressam no projeto a CNN Brasil, Rádio Nova Brasil FM, SBT News e Veja.

No Comprova, repórteres das 42 organizações de mídia trabalham em conjunto para investigar conteúdos suspeitos compartilhados nas redes sociais sobre as eleições presidenciais. Desde o início do projeto, 800 reportagens foram publicadas pelo site do Comprova. Essas reportagens esclareceram conteúdos que espalharam desinformação nas redes sobre eleições e o processo eleitoral, políticas públicas no âmbito do governo federal e sobre a pandemia de covid-19.

As equipes do Comprova verificam a veracidade de textos, imagens e áudios compartilhados nas diversas plataformas de redes sociais e em aplicativos de mensagens. Para isso, os profissionais seguem metodologias desenvolvidas pela First Draft, organização internacional que pesquisa desinformação e oferece treinamento para jornalistas que atuam no combate aos conteúdos falsos.

Em março de 2022, o Comprova lançou um minicurso por WhatsApp para pessoas com mais de 50 anos, num convênio com o programa Media Wise for Seniors do Poynter Institute e com apoio da Meta. Em julho, o projeto vai realizar uma semana de treinamento online, com inscrições abertas também para jornalistas que não fazem parte da coalizão, baseada em apresentações e discussão de casos de checagens feitas pelo Comprova. A semana será o primeiro evento de um programa de capacitação de jornalistas para verificação de fatos que será lançado pelo projeto.

Também em 2022, o Projeto Comprova participa do Programa Permanente de Enfrentamento à Desinformação no âmbito da Justiça Eleitoral, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), e do Projeto #FakeToFora, do Instituto Palavra Aberta, que fomenta a participação de jovens na eleição.

O Comprova também tem como objetivo engajar cidadãos no combate à desinformação. O público pode denunciar conteúdos suspeitos ou falsos relacionados aos temas que estão no escopo do projeto e sugerir verificações por meio de um número de WhatsApp — (11) 97045-4984 — e por um um formulário no site projetocomprova.com.br.

Além do UOL, as organizações de mídia envolvidas nesta quinta fase do Comprova são: A Gazeta (ES), AFP, Alma Preta, Band News, Band News FM, Band TV, Band.com.br, CNN Brasil, Correio (BA), Correio Braziliense, Correio de Carajás (PA), Correio do Estado (MS), Correio do Povo (RS), Crusoé, Diário do Nordeste (CE), Estadão, Estado de Minas (MG), Folha de S.Paulo, Grupo Sinos (RS), GZH (RS), imirante (MA), Jornal do Commercio (PE), Metro Brasil, Metrópoles, Nexo Jornal, NSC Total (SC), O Dia (RJ), O Liberal (PA), O Popular (GO), O Povo (CE), Plural (PR), Poder360, Portal Norte de Notícias (AM), Rádio Bandeirantes, Rádio CBN Cuiabá (MT), Rádio Nova Brasil FM (SP), revista Piauí, SBT, SBT News, Tribuna do Norte (RN) e Veja.

O material produzido pelo Comprova pode ser republicado por organizações que não fazem parte da coalizão, já que os conteúdos têm licença Creative Commons — ou seja, podem ser republicados por qualquer veículo interessado, desde que haja atribuição ao Comprova e o conteúdo não seja alterado.

Meta Journalism Project e Google News Initiative ajudam a financiar o projeto, e ambas as empresas estão fornecendo suporte técnico e treinamento para as equipes envolvidas. O Comprova tem como parceiros institucionais a Associação Nacional de Jornais (ANJ), o Projor, a Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), a agência Aos Fatos, o Canal Futura e a RBMDF Advogados. Os parceiros de tecnologia são CrowdTangle, NewsWhip, Torabit, Twitter e WhatsApp.

Notícias