PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

"Não tem orçamento secreto", diz Lira sobre R$ 3 bilhões em emendas

Arthur Lira critica reportagem e nega existência de "orçamento paralelo" - REUTERS/Bruno Kelly
Arthur Lira critica reportagem e nega existência de 'orçamento paralelo' Imagem: REUTERS/Bruno Kelly
do UOL

Colaboração para o UOL

10/05/2021 23h29

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), negou a existência de "orçamento secreto ou "paralelo" como mostrou hoje uma reportagem do jornal O Estado de S. Paulo. Para o deputado, foi um "excesso do jornalista".

Segundo o Estadão, o governo federal teria destinado R$ 3 bilhões em emendas para garantir apoio da base aliada no Congresso. Desse montante, pelo menos R$ 271 milhões foram para tratores, retroescavadeiras e equipamentos agrícolas. O valor total, segundo Lira, representa "0,001% do orçamento".

"Ali não tem orçamento secreto, nem orçamento paralelo. O que tem são diferentes formas de se fazer emendas para o orçamento. Tem as emendas impositivas individuais, impositivas de bancada e as RP 9 do relator-geral que tem toda uma especificidade. Todas as três são de competência do poder legislativo indicar", declarou durante participação no programa Sem Censura, da TV Brasil.

O presidente da Câmara disse não acreditar em falta de transparência e, por isso, afirmou acreditar que os ministros responsáveis e a parte técnica do Congresso Nacional "saberá (sic) dar a resposta".

Ao ser questionado sobre o valor limitado a R$ 8 milhões para emendas individuais, o qual teria sido ultrapassado por muitos parlamentares conforme a reportagem do Estadão mostrou, Lira disse que "nada casa com nada, não tem esse limite". O deputado também argumentou que não há superfaturamento.

"O valor de um Corsa é o valor de uma Range Rover? O valor de um trator de 100 cv é o mesmo de um trator de 300 cv? Então, às vezes, a gente tenta passar uma imagem muito negativa de emendas parlamentares. E eu como presidente da Câmara tenho muito orgulho de defendê-las, porque são elas que mudam as vidas das pessoas que mais precisam. Agora, se distorções houveram [sic], tem que ser corrigidas", finalizou.

Notícias