PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Estudo de Israel revela resistência de cepa sul-africana a vacina da Pfizer

A pesquisa identificou que a porcentagem de casos da mutação descoberta na África do Sul, em comparação com a do Reino Unido, era significativamente maior entre as pessoas que haviam recebido ambas as doses do imunizante - Dado Ruvic/Reuters
A pesquisa identificou que a porcentagem de casos da mutação descoberta na África do Sul, em comparação com a do Reino Unido, era significativamente maior entre as pessoas que haviam recebido ambas as doses do imunizante Imagem: Dado Ruvic/Reuters

12/04/2021 16h53

Jerusalém, 11 abr (EFE).- Um estudo israelense publicado neste domingo pela imprensa local mostrou que a variante sul-africana do coronavírus é mais resistente do que a britânica à vacina da Pfizer, embora não tenha especificado o grau de resistência.

A pesquisa, que ainda não foi revisada por pares e foi baseada em uma amostra de cerca de 800 pessoas, identificou que a porcentagem de casos da mutação descoberta na África do Sul, em comparação com a do Reino Unido, era significativamente maior entre as pessoas que haviam recebido ambas as doses do imunizante em comparação com aquelas que haviam sido inoculadas apenas com uma.

O estudo, conduzido por pesquisadores da Clalit, a principal companhia de seguros de saúde de Israel, juntamente com a Universidade de Tel-Aviv, identificou que entre os pacientes infectados dentro de 14 dias após o recebimento da primeira dose de vacina, menos de 0,5% tinham contraído a cepa sul-africana do coronavírus. O número foi quase idêntico quando um grupo de controle do mesmo número de pacientes, de idade semelhante e que não tinham sido inoculados, foi testado.

O mais impressionante, segundo os cientistas, é que entre as pessoas que haviam sido infectadas pelo coronavírus mais de duas semanas após terem recebido a segunda dose da vacina, a porcentagem de pacientes portadores da variante da África do Sul era de 5,4%, enquanto no grupo de controle de pessoas não vacinadas o número era de 0,7%.

"Isso significa que a variante sul-africana tem a capacidade, até certo ponto, de penetrar na proteção da vacina", afirmou a pesquisadora Adi Stern, professora da Escola de Biomedicina da Universidade de Tel-Aviv e um dos autores do estudo.

Os pesquisadores observaram, no entanto, que os resultados não permitem identificar o grau de resistência da cepa africana à vacina e também salientaram que a mutação representa apenas 1% dos casos em Israel, onde o estudo foi realizado.

"É certo que as pessoas que são vacinadas estão menos protegidas contra a variante sul-africana, mas o pequeno número de casos desta cepa no país mostra que a vacina as protege", ponderou em entrevista à Agência Efe o diretor da Escola de Saúde Pública da Universidade Ben Gurion e conselheiro do governo na gestão da pandemia, Nadav Davidovitch.

Segundo ele, embora os resultados sejam significativos e devam ser a base para futuros estudos, essa pesquisa não contradiz as evidências da Pfizer sobre a eficácia da vacina contra a mutação.

Notícias