PUBLICIDADE
Topo

Harvard e MIT vão à Justiça para anular revogação de vistos para estudantes estrangeiros

08/07/2020 13h31

Nova York, 8 Jul 2020 (AFP) - A Universidade de Harvard e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) apresentaram nesta quarta-feira (8) uma ação na Justiça para anular a decisão do governo de Donald Trump de revogar os vistos dos estudantes estrangeiros obrigados a acompanhar cursos on-line, devido à pandemia do coronavírus.

"Defenderemos este caso com vigor para que nossos estudantes internacionais - e estudantes internacionais de instituições de todo país - possam continuar seus estudos sem a ameaça da deportação", afirmou o presidente de Harvard, Lawrence Bacow, em um comunicado.

O processo conjunto foi aberto em um tribunal de Boston, Massachusetts, e tenta bloquear temporariamente a decisão da agência que controla a imigração para o país, a ICE.

- "Crueldade" -Os centros afirmam que a decisão do governo é "arbitrária e caprichosa" e "não leva em consideração aspectos importantes do problema". "Deixa centenas de milhares de estudantes internacionais sem opções educacionais nos Estados Unidos", diz.

Harvard anunciou que os cursos do ano acadêmico que começa em setembro serão virtuais, devido à pandemia de coronavírus. Nos Estados Unidos, já são quase três milhões de infectados e mais de 130.000 mortos.

Na terça-feira, o presidente Trump chamou a decisão de "ridícula".

Enquanto isso, o MIT oferecerá aulas presenciais apenas para um número muito limitado de estudantes, já que os jovens no campus deverão se submeter a testes de diagnóstico pelo menos duas vezes por semana e ter seu próprio dormitório.

A decisão do governo dos EUA de revogar os vistos "veio sem aviso prévio, e sua crueldade é perdida apenas por sua irresponsabilidade", disse o presidente de Harvard.

"Parece que foi planejado de propósito para pressionar as universidades a abrirem seus campi para aulas presenciais neste outono, ignorando preocupações com a saúde e com a segurança de estudantes, professores e outros", acrescentou Bacow.

Cerca de 5,5% dos estudantes das universidades americanas são estrangeiros, e muitas instituições dependem fortemente de suas matrículas.

Harvard e o MIT têm juntos cerca de 35.000 alunos. Destes, aproximadamente 9.000 são estrangeiros.

Na segunda-feira, o ICE anunciou que os estudantes que já se encontram nos Estados Unidos e têm cursos universitários on-line "devem deixar o país, ou tomar outras medidas, como se matricular em uma escola com cursos em sala de aula para manter seu status legal".

Caso contrário, correm o risco de serem submetidos a processos de deportação.

- Pressão para reabrir -Trump, que busca um novo mandato nas eleições de 3 de novembro, está pressionando o país a retomar as atividades normais para revitalizar a economia - ainda que a pandemia não esteja sob controle.

"AS ESCOLAS DEVEM ABRIR NO OUTONO!" (primavera no Brasil), tuitou na segunda-feira.

O presidente disse hoje também em sua conta no Twitter que não concorda com as medidas "muito rigorosas e caras" lançadas pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) para reabrir escolas e anunciou que se reunirá com sua hierarquia.

Além disso, afirmou que em vários países europeus "as escolas estão abertas sem problemas" e ameaçou de cortar os subsídios federais dos legisladores democratas, a quem ele acusa de querer manter as escolas fechadas até as eleições por motivações políticas.

Desde o início da crise da saúde, o presidente anunciou medidas contra os imigrantes. A luta contra a imigração é um das bandeiras de seu governo.

Em junho passado, Trump congelou até 2021 a emissão de "green cards", documento que oferece o "status" de residente permanente nos Estados Unidos, assim como determinados vistos de trabalho. Foram especialmente atingidos os vistos usados no setor de novas tecnologias, com o objetivo declarado de reservar empregos para os americanos.

lbc/dga/tt/aa

Notícias